Notícia

UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

Heloisa Pontes lança o livro "Intérpretes da Metrópole" no dia 29

Publicado em 22 março 2011

Por Manuel Alves Filho

A professora Heloisa Pontes, do Departamento de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp, lançará no próximo dia 29 de março, na Livraria da Vila, em São Paulo, o livro Intérpretes da Metrópole, publicação que resulta da tese de livre-docência defendida por ela em 2008. Na obra, a autora procura apreender as relações entre a cidade, no caso São Paulo, e a vida intelectual, a universidade e o teatro, sob a ótica da história da cultura e das relações de gênero. A noite de autógrafos terá início às 19 horas.

De acordo com Heloisa Pontes, o livro decorre de um projeto individual de pesquisa, desenvolvido e concluído no âmbito de dois projetos temáticos financiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) - um sobre Gênero e Corporalidades e outro acerca da Formação do campo intelectual e da indústria cultural no Brasil contemporâneo, este último ainda em andamento e com o qual ela faz uma interlocução. "Eu me dediquei a pensar a relação entre a cidade de São Paulo, que viveu um intenso processo de metropolização entre 1940 e 1960, e a criação de novos espaços de sociabilidade. Naquele período surgiram importantes instituições nos âmbitos da intelectualidade e da cultura, como a Universidade de São Paulo, o Teatro Brasileiro de Comédia [TBC], a Companhia Vera Cruz e o Museu de Arte de São Paulo [Masp]. Também foi nessa época que houve uma dinamização da imprensa", explica.

Toda essa efervescência, assinala a docente, ocorreu concomitantemente a um processo de mudança da estrutura social da cidade. Afinal, naquele momento chegavam a São Paulo muitos imigrantes, seja para formar a primeira geração de professores da USP, seja para fugir dos horrores e perseguições da Segunda Guerra, para ficar em apenas dois exemplos. "Entre esses estrangeiros também estavam atores e diretores de teatro, que se integraram mais tarde ao TBC, que viria a se tornar a companhia mais importante da época e na qual também atuavam atrizes como Fernanda Montenegro, Cleide Yacónis, Cacilda Becker, Nydia Licia, Tônia Carrero e Maria Della Costa".

A docente valeu-se desses "intérpretes", posicionados em dois campos distintos, o do teatro e o da atividade intelectual, para entender melhor as várias relações estabelecidas, tendo a metrópole como uma espécie de indutora destas. Nessa linha, Heloisa Pontes também voltou o olhar para a questão das relações de gênero. Seu objetivo foi jogar luz sobre como atrizes e intelectuais se destacaram naquela época. "Quis saber como as mulheres construíram suas carreiras; que condições e constrangimentos enfrentaram para firmarem suas identidades artísticas e intelectuais", detalha a autora.

No livro, a pesquisadora também faz uma análise comparativa entre os intelectuais paulistas da revista Clima e os "nova-iorquinos" da Partisan Review. Compara, ainda, as trajetórias de três importantes críticas de cultura e escritoras: Lúcia Miguel Pereira, Patrícia Galvão e Gilda de Mello e Souza. Em relação ao teatro brasileiro, analisa a trajetória das "grandes damas", comparando-as com as intelectuais, e destaca a participação dos franceses Louis Jouvet e Henriette Morineau e de Décio de Almeida Prado e Cacilda Becker para a consolidação do teatro nacional. "Minha pretensão é que o livro atinja um público mais amplo do que aquele situado na Academia. Espero que isso possa ocorrer na prática", conclui a autora.

Serviço

Título: Intérpretes da Metrópole

Autora: Heloisa Pontes

Editora: Edusp

Número de páginas: 464

Preço sugerido: R$ 89,00

Lançamento: 29 de março, a partir das 19h, na Livraria da Vila - Avenida Lorena, 1.731, São Paulo