Notícia

Panorama Farmacêutico

Healthtechs despertam o interesse de farmacêuticas

Publicado em 27 setembro 2019

Por Jacilio Saraiva - Valor Econômico

O número de startups de saúde no Brasil, conhecidas como “healthtechs”, passou de 288, em 2018, para 386 este ano, um avanço de 34%, de acordo com levantamento feito pela empresa de inovação aberta Distrito. A maior parte delas, ou 87,1%, foi fundada a partir de 2010, com destaque para os últimos cinco anos, quando surgiram 252 empreendimentos.

Do total mapeado, 6,5% possuem soluções para a compra, entrega de remédios ou ferramentas que auxiliam na descoberta de novos compostos, segundo Gustavo Araújo, co-fundador da Distrito. “Alguns negócios desenvolvem tecnologias capazes de encurtar o tempo de criação de medicamentos e tornar esse processo mais assertivo e menos custoso”, diz.

É o caso da PluriCell Biotech, startup da incubadora USP/Ipen-Cietec, sediada em São Paulo. O objetivo da empresa é gerar células humanas em laboratório, a partir de células-tronco, para tratar pacientes com problemas de insuficiência cardíaca. Criado em 2013, o negócio está em estágio de testes, mas já chamou a atenção do mercado. “Recebemos um investimento de US$ 1,1 milhão, da Libbs, este ano”, diz o CEO Marcos Valadares, biólogo com doutorado em genética.

A busca de recursos deve continuar. O empreendimento está abrindo uma rodada de investimentos para captar US$ 3 milhões, com o intuito de escalar o processo de produção e expandir os testes em andamento.

Na Aptah Bioinformática, fundada em Goiânia (GO) no ano passado, a captação de clientes já começou. A startup estuda medicamentos para o tratamento de vários tipos de câncer, doenças raras, inflamatórias e infecciosas, por meio de engenharia genética. Os primeiros contratos de prestação de serviços foram fechados com o Instituto de Ciências Farmacêuticas (ICF) e a indústria de medicamentos Equiplex, ambos de Goiás, diz o CEO Higor Falcão. A expectativa de faturamento para 2019 é de R$ 156 mil.

O interesse de Falcão é captar aportes de R$ 1,5 milhão por novo medicamento, com a ajuda de editais, leis de incentivo fiscal e campanhas de crowdfunding (financiamento coletivo). “A obtenção de recursos para projetos de biotecnologia com investidores privados é quase inexistente no Brasil”, explica. A previsão para o licenciamento do primeiro medicamento é daqui a quatro anos.

Em 2019, a Aptah foi uma das 15 startups escolhidas pela iniciativa de apoio à inovação StartOut Brasil para uma imersão em Toronto, no Canadá, para visitar aceleradoras, empreendimentos locais e participar de apresentações para possíveis investidores e parceiros.

Marcos Tadeu dos Santos, CEO da Onkos Diagnósticos, já conseguiu uma carteira de mais de 600 clientes, entre médicos, que prescrevem os exames oferecidos pela empresa; pacientes e laboratórios como Fleury, Dasa e Hermes Pardini. Em operação há quatro anos, a startup que nasceu no Supera, parque de inovação e tecnologia de Ribeirão Preto (SP), produz análises moleculares para oncologia. “Os nossos exames têm como foco reduzir cirurgias desnecessárias e aumentar a eficiência do sistema de saúde”, assegura Santos, doutor em genética e biologia molecular.

O carro-chefe da marca é um exame que classifica riscos de câncer em nódulos na tireóide. “Devem ser realizadas no Brasil cerca de 40 mil cirurgias de tireóide, sem necessidade, ao ano.” A novidade foi desenvolvida com o Hospital de Câncer de Barretos (SP).

A Onkos recebeu verbas de subvenção econômica da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), somando cerca de R$ 1,5 milhão. “Em breve, abriremos a nossa primeira rodada de investimentos, para dar suporte ao crescimento da companhia.”

Recentemente, o empreendedor fechou contrato com a argentina LA Genomics, para vender o portfólio na América Latina. Segundo Santos, em todo o mundo, a empresa tem três concorrentes, todos nos Estados Unidos.

Também sediada em Ribeirão Preto, a Vetra detém desde 2013 três patentes de biomateriais que aceleram a regeneração de tecidos do corpo. “Com esses insumos é possível realizar enxertos ósseos, de pele e regeneração de dentes”, explica a sócia-fundadora Marina Trevelin Souza.

A expectativa da pesquisadora é conseguir as aprovações de comercialização até 2020. Assim que os produtos forem regulamentados, a meta é obter uma receita de cerca de R$ 1 milhão, no primeiro ano de operação, diz. A Vetra mantém parcerias de pesquisa com quatro universidades, como a Federal de São Carlos (UFSCar) e a Universidade de São Paulo (USP).