Notícia

Agência C&T (MCTI)

HC terá precisão em dobro na ressonância

Publicado em 21 dezembro 2007

O Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto recebeu na terça-feira, novo aparelho de ressonância magnética. Importado da Holanda, o equipamento custou R$ 2 milhões e é o primeiro do interior de São Paulo com o dobro de precisão dos aparelhos comuns.

O equipamento permitirá avanço nas pesquisas sobre as causas da epilepsia e diagnósticos mais sofisticados de outros problemas, como AVC (Acidente Vascular Cerebral) e câncer.

O aparelho tem capacidade de 3 tesla, a unidade de medida do fluxo magnético, que equivale à potência do aparelho. Os aparelhos usados em outras cidades do interior têm capacidade de 1,5 tesla.

A Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) custeou 100% do equipamento. Com ele, Ribeirão fará parte do projeto que envolve o Hospital da Unicamp e o HC da capital.

O novo aparelho está em fase de montagem e deve entrar em funcionamento em abril. Atualmente nove mil pacientes são submetidos a exames de ressonância magnética to dos os anos no HC.


Referência

"Ribeirão já é considerada referência nacional em cirurgia de epilepsia. Vamos no mínimo dobrar a nossa capacidade"; afirmou o neurorradiologista Antonio Carlos Santos, um dos 15 profissionais envolvidos no projeto.

De acordo com o neurologista João Pereira Leite, 20% dos pacientes de epilepsia precisam da cirurgia.

Crianças com epilepsia serão beneficiadas

O setor de neurocirurgia pediátrica, que em 2008 realizou 45 cirurgias de epilepsia, deve ser um dos mais beneficiados com o novo aparelho de ressonância.

De acordo com o professor Hélio Rubens Machado, que também coordena o HC Cria o hospital tem fila de 40 pacientes de todo o país.

"A epilepsia mexe com aspectos sociais porque consome famílias inteiras, exige atenção total da mãe, impede crianças de irem à escola ou as fazem viver dopadas por medicamentos", disse Machado.

A Fapesp informou que em 2006 investiu 21% de seus recursos (R$ 110 milhões) na área da saúde.