Notícia

Plantão News (MT)

Grupo Fleury anuncia vencedores do prêmio de inovação em saúde

Publicado em 07 novembro 2015

Dois pesquisadores apoiados pela FAPESP estão entre os contemplados na primeira edição do Prêmio de Inovação do Grupo Fleury (PIF).

Na categoria mestrado e doutorado, Thatiana Evilen da Silva, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), foi premiada por sua pesquisa “Mutações no gene DHX37 identificadas por sequenciamento exômico em larga escala são causa da síndrome de regressão testicular embrionária (SRTE) em quatro famílias com DDS 46,XY”.

Na mesma categoria também foi vencedora a pesquisa sobre “Inovação no diagnóstico da hanseníase: potencial método não invasivo associado à espectrometria de massas de alta resolução”, de Estela de Oliveira Lima, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Na categoria jovem pesquisador, Mariana de Oliveira Diniz, do Instituto de Ciências Biomédicas da USP (ICB/USP), foi a vencedora com o trabalho “Nova abordagem imunoterapêutica contra tumores induzidos por HPV”.

Também foi contemplado Andre Luiz Vettore, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), com o trabalho “Acurácia de microRNAs como marcadores de detecção de metástases em linfonodos cervicais de pacientes com carcinoma epidermoide de cabeça e pescoço”.

Na categoria graduação, foram reconhecidos os trabalhos “Efeitos inflamatórios oriundos da poluição atmosférica urbana utilizando camundongos deficientes no gene de reparo XPC”, da aluna Giovanna Mamesso di Costanzo, e o trabalho “Dissulfeto-isomerase proteica é superexpressa na resposta vascular à lesão e tem ação antirremodelamento constritivo”, do aluno Haniel Alves Araújo, ambos da Faculdade de Medicina da USP.

O prêmio principal foi para o trabalho de Allan Kardec Nogueira de Alencar, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sobre o “Desenvolvimento de novos agonistas de receptores de adenosina A2A para a reversão do remodelamento cardíaco e vascular em ratos com hipertensão arterial pulmonar”.

Ao todo, 69 trabalhos foram inscritos na primeira edição do PIF, sendo 18 selecionados para apresentação oral e sete premiados.

“Tivemos desde pesquisas básicas voltadas para a área de métodos moleculares até tratamentos terapêuticos e inovações tecnológicas para a criação de ferramentas que facilitam o dia a dia do corpo médico. Isso mostra a riqueza e a diversidade da produção acadêmica e científica no país”, afirmou Jeane Tsutsui, diretora executiva Médica, Técnica e de P&D da empresa.

Os pesquisadores que tiveram seus projetos reconhecidos terão oportunidade de passar 15 dias na área de Pesquisa e Desenvolvimento do Grupo Fleury. A proposta é promover a interação e vivenciar os desafios da equipe com os futuros cientistas do país, bem como estreitar o relacionamento da empresa com as universidades e vice-versa. “Nesta imersão, os jovens cientistas poderão ver como a pesquisa acadêmica pode ser aplicada em uma empresa, assim como terão a chance de trazer insights importantes para a equipe de P&D”, explica Tsutsui.