Notícia

Agência USP de Notícias

Grupo busca sistemas moleculares contra doença de Chagas

Publicado em 09 fevereiro 2011

Por Da Redação

No Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP, o grupo de pesquisa coordenado pelo professor Adriano Andricopulo estuda sistemas moleculares que são preparados para atuar contra alvos vitais de sobrevivência do parasita da doença de Chagas. No momento, o grupo procura definir o composto que irá passar por testes clínicos para verificar sua eficácia contra a doença. As pesquisas tem o apoio da Organização Mundial de Saúde (OMS), que coordena uma rede internacional de cientistas sobre o tema.


Os pesquisadores trabalham com algumas proteínas-alvo do Trypanosoma cruzi, o agente causador da doença, isolando tais proteínas para, posteriormente, produzi-la e encontrar pequenas moléculas que possam inibir sua atividade, causando uma condição letal à sobrevivência e desenvolvimento do parasita. “Por meio de ensaios in vitro fazemos os testes com moléculas candidatas a fármaco que irão inibir as enzimas responsáveis pela sobrevivência do parasita”, conta o cientista.

A pesquisa conta com especialistas de diversas áreas, como parasitologia, química medicinal e biologia molecular e estrutural. “A OMS desenvolve um sistema de projetos, do tipo empresa farmacêutica, muito detalhado e estabelecido. Dessa rede, participam universidades importantes do mundo todo”, diz o professor. “Há também a participação de diversas indústrias farmacêuticas.” O grupo conta ainda com a colaboração dos professores Otavio Thiemann, Rafael Guido e Glaucius Oliva, do IFSC, e Luiz Carlos Dias, da Universidade de Campinas (Unicamp).

Atualmente, uma média de 300 compostos foi sintetizada, com moléculas que já foram confirmadas como inibidoras. A próxima fase será trabalhar as propriedades fármacocinéticas, ou seja, a melhoria para percorrer todo o “caminho” num organismo infectado. “Precisamos observar diversas propriedades como absorção do composto, solubilidade, biodisponibilidade. Esse trabalho é conjunto e cada um dos grupos que faz parte da rede da OMS presta auxílio, cada um na parte que lhe cabe”,diz o professor.

Testes
Adriano Andricopulo explica que a fase final — também chamada de fase clínica —, quando empresas farmacêuticas irão financiar testes em seres humanos, dos possíveis candidatos a fármaco, deve ser acelerada. Segundo o professor do IFSC, o maior desafio atualmente é encontrar um candidato clínico, ou seja, o composto que a indústria farmacêutica irá escolher para realizar testes em humanos.

O grupo de pesquisa do IFSC desenvolve estudos in vitro e in vivo, e a relação com a OMS e com os grupos da rede tem sido importante e fundamental para a evolução dos estudos. “A OMS consegue coordenar toda essa rede e fazê-la funcionar corretamente”, ressalta.

O grupo disponibiliza a primeira base de dados da América Latina, PK/DB, para acesso e acompanhamento de outros estudiosos do assunto. “A capacidade de trabalhar com moléculas sintéticas e fazer ensaios biológicos é algo difícil de encontrar e isso tem nos trazido credibilidade de grupos externos, onde se inclui a OMS”.

Em comemoração ao Ano Internacional da Química, os debates serão intensos. “Neste ano, a reunião anual da Sociedade Brasileira de Química, a Escola Avançada de Química, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), e nesses eventos as atividades e discussões serão grandes, também com o objetivo de atrair estudiosos para essa área”, conta o docente.