Notícia

ID News

Grupo associado ao CDMF utilizará novo sistema de computação de alto desempenho

Publicado em 13 setembro 2019

O grupo de pesquisas “Modelagem Computacional da Matéria Condensada (MC)2” formado pelos professores Alex Antonelli, Edison Zacarias da Silva e Maurice de Koning do Instituto de Física “Gleb Wataghin” da Universidade Estadual de Campinas (IFGW-Unicamp) e o professor Miguel San Miguel do Instituto de Química (IQ) da Unicamp, com apoio da Fapesp, no Projeto Temático (2016/23891-6), adquiriu da VERSATUS/DELL, um novo sistema de computação de alto desempenho (HPC) que recebeu o nome de Cluster Bohr.

No último dia 09 de setembro o grupo realizou um evento para apresentação pública deste novo sistema computacional que vai alavancar a capacidade de pesquisas do (MC)2.

O novo equipamento batizado de Cluster Bohr, foi o resultado de um financiamento de US 250.000,00 da FAPESP, vinculado ao projeto temático “Modelagem Computacional da Matéria Condensada”. O Cluster Bohr é um sistema computacional de alto desempenho que tem 920 núcleos (cores) computacionais, com memória RAM de 4,32 TB e 132 TD de armazenamento.

O sistema conta com interconexão de última geração, Infiniband EDR que permite eficiência em processamento paralelo, numa arquitetura Inte. Skylake.

Este sistema computacional permitirá um avanço na pesquisa científicas do grupo e também auxiliará outros pesquisadores que necessitam acesso a HPC, uma vez que o sistema é um Equipamento Multi-Usuário (EMU-FAPESP), administrado pelo (MC)2.

Para o evento de apresentação pública do equipamento, foram produzidos alguns vídeos com os integrantes do grupo. Em um dos vídeos, os pesquisadores do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), Edison Zacarias da Silva e Miguel San Miguel, falam sobre suas pesquisas.

Confira:

CDMF

O CDMF, dirigido pelo professor da UFSCar Elson Longo da Silva, é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), e recebe também investimento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a partir do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN).