Notícia

DCI

Griaule prevê mais negócios com sistema de identificação

Publicado em 24 agosto 2004

A Griaule Reconhecimentos Digitais aguarda decisão da Câmara dos Deputados para implementar seu sistema de identificação de impressões digitais na Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo. A empresa multiplicou sua receita desde o início do governo Lula e está empenhada em fechar novos contratos. Seus softwares de identificação já são utilizados pela Secretaria de Segurança Pública do Tocantins e de Rondônia, por quatro presídios de Sergipe e dois Detrans do Maranhão, de acordo com Jairo Margatho, diretor de projeto da Griaule. No ano passado, a empresa faturou R$ 250 mil e o faturamento estimado para este ano é de R$ 1 milhão. Margatho explica que este aumento decorre do crescimento do mercado de softwares de identificação. Ele acrescenta que o sistema digital destinado à segurança pública é responsável por 60% do fatu-ramento da empresa. A Griaule é a única empresa da América do Sul que desenvolve softwares de identificação digital e espera contar com a preferência do governo Lula na implementação de seu produto em órgãos públicos brasileiros. Margatho afirma que a política industrial em vigor incentiva indústrias de softwares, e estima que o governo pode vir a dar subsídio fiscal e linha de crédito para as empresas de tecnologia. Segundo ele, a verba destinada ao Ministério da Ciência e Tecnologia tem sido repassada para agências do governo, como a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que financiam a linha de pesquisa em tecnologia e inovação para as empresas do segmento de softwares. Durante o segundo mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, um sistema de identificação de impressões digitais foi importado da França por US$ 39 milhões. Margatho afirma que caso o governo optasse por um produto brasileiro, teria economizado 20% do valor. Na opinião do executivo, a opção pela importação de um produto disponível no Brasil com tecnologia equivalente foi de cunho político. O sistema só foi inaugurado no último dia 3 de agosto, na Polícia Federal. Incubada na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a Griaule desenvolve softwares de identificação digital há doze anos e atua no mercado desde 1995. Maria Cláudia Almeida