Notícia

Agência USP de Notícias

Grandes nomes da USP são responsáveis pelo reconhecimento internacional da Universidade

Publicado em 24 julho 2007

Por Rafael Kato, USP Online (rafaelkato@usp.br)

A Universidade de São Paulo é considerada a melhor instituição de ensino superior da América Latina. A constatação é do Ranking 2007 da Universidade Xangai Jiao Tong, na China. A USP é a 134ª colocada na lista que analisa a qualidade do ensino e da pesquisa, além do tamanho das universidades.

Prêmios Nobel e de áreas específicas, tanto de professores como alunos, representam 30% da nota final do ranking. Outro peso importante da avaliação são as citações. Estas se dividem em citações diretas de pesquisadores de 21 áreas do conhecimento, artigos nas revistas Science e Nature, e freqüência nos índices de citações SCIE (Science Citation Index-expanded) e SSCI (Social Science Citation Index). Somadas, elas são 60% da avaliação final.

O tamanho da universidade é avaliado por meio das notas anteriores divididas pela quantidade de professores em tempo integral. Essa variante representa os 10% finais do ranking.

As outras universidades brasileiras citadas no ranking são Unicamp, Unesp e UFRJ que estão, respectivamente, nas posições 312ª, 480ª e 348ª.

Essa lista mostra claramente a posição de vanguarda que a USP possui. Seus pesquisadores são reconhecidos e seus avanços científicos têm grande repercussão. Grandes nomes da Universidade viraram referência no meio acadêmico. As universidades não são somente reconhecidas pela quantidade de prêmios Nobels que elas possuem, mas os avanços importantes que elas trouxeram para a ciência. Por isso que a USP está bem colocada no ranking, já que a avaliação é global. Dessa maneira, veja alguns que contribuíram e contribuem para a qualidade da USP:


Aziz Nacib Ab'Sáber

Teorias pioneiras

Aziz Nacib Ab'Sáber é um importante geógrafo que refez a divisão do relevo brasileiro e desenvolveu a Teoria dos Redutos. Esta diz que, durante o Pleistosceno, as matas ficaram reduzidas em áreas pequenas, chamadas por ele de redutos. Ab'Sáber afirma que esse fenômeno ocorreu na Amazônia.

Paulo Emílio Vanzolini se interessou pela teoria e concluiu que estes redutos foram áreas de refúgios para as espécies. Os animais, separados pelas barreiras ecológicas entre diferentes refúgios, sofreram especiações, ou seja, a mesma espécie se dividiu em duas espécies diferentes. A pesquisa de Vanzolini ficou conhecida como a Teoria dos Refúgios e explica o motivo da alta biodiversidade brasileira.

Vanzolini também é reconhecido pelas suas expedições na Amazônia, pelo acervo do Museu de Zoologia (MZ) e pela contribuição na criação do Fundo de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Ab'Sáber também tem seu nome ligado aos movimentos de preservação do meio-ambiente e presidiu a Sociedade Brasileira Para o Progresso da Ciência (SBPC).


Miguel Reale

Direito e Literatura

No campo das humanidades outro destaque foi Miguel Reale. Seu trabalho amplamente reconhecido foi na área de Filosofia do Direito. A Teoria Tridimensional do Direito é um marco no pensamento brasileiro.

Reale foi reitor da USP e recebeu 15 títulos honoris causa. Membro de várias instituições internacionais, foi o supervisor geral da elaboração do novo Código Civil brasileiro.

Antonio Candido de Mello e Souza é outro intelectual de extrema importância. Seu trabalho A formação da Literatura Brasileira é um marco do pensamento e afirma definitivamente a Literatura Brasileira como forma de expressão nacional.

Candido também é reconhecido nos trabalhos de literatura comparada e na análise de obras e de autores. Seu trabalho sempre se constituiu na vinculação entre a formação do tecido social e da cultura literária brasileira.


César Lattes

O Nobel esqueceu

César Lattes graduou-se em Física e Matemática pela USP em 1943. Trabalhou em Berkeley, Bristol e Unicamp. Aposentou-se como professor da Universidade em 1986. Morreu em 2005.

Lattes descobriu a existência da partícula méson-pi e determinou o valor de sua massa. Em 1950, o prêmio Nobel de Física foi entregue para Cecil Power, que era o chefe do laboratório em que Lattes trabalhava em Bristol, mas que não assinou o artigo na revista Nature.

Mario Schenberg graduou-se engenharia pela Escola Politécnica (EP) e no mesmo ano virou professor. Realizou importantes mudanças no antigo departamento de Física, criando o laboratório de Física do Estado Sólido e instalando o primeiro computador da instituição.

A principal contribuição de Schenberg, em parceria com o físico russo George Gamow, foi a descoberta do ciclo de formação de estrelas supernovas, chamado de Processo Urca. Também importante foi a determinação do limite da evolução estelar, conhecido como limite Schemberg-Chandrasekhar, já que o realizou em parceria com o referido cientista indiano.

Einstein reconheceu o talento de Schenberg. O cientista alemão fez uma lista com os dez principais físicos do século XX e citou o nome do brasileiro. Não ter recebido o Nobel foi um acaso, pois era reconhecido pelos principais nomes da Física moderna, como Einstein, Niels Bohr, Erwin Schrdinger, Wolfgang Pauli e o brasileiro Cesar Lattes.


Euryclides de Jesus Zerbini

Corações e DNA

Realizar mais de 40 mil operações, ser o responsável pelo terceiro transplante cardíaco do mundo, ser pioneiro na circulação extracorpórea e válvulas cardíacas artificiais, além de ter recebido mais de 125 prêmios formam a biografia de Euryclides de Jesus Zerbini.

Zerbini também criou o Centro de Ensino de Cirurgia Cardíaca, que originou o Instituto do Coração. Em 1985, Zerbini foi novamente pioneiro ao realizar o primeiro transplante de coração num paciente portador do mal de Chagas.

A equipe que comandava, no Hospital das Clínicas, também realizou avanços no campo das doenças cardíacas congênitas, como a Tetralogia de Fallot, e aneurismas aórticos.

Zerbini deixou importante legado na Faculdade de Medicina (FM) da USP, sendo Adib Domingos Jatene o seu mais importante discípulo. Jatene desenvolveu uma nova técnica de operação para a correção das grandes artérias, que ficou conhecida como Operação de Jatene.

Jatene realizou mais de 20 mil operações e chefiou outras 100 mil.Ocupou o cargo de ministro e secretário municipal da saúde.

No campo das Ciências Biológicas outro nome fundamental é Crodowaldo Pavan.Este tem seu nome ligado aos estudos de genética, sobretudo com a mosca Rynchosciara angelae. Foi por meio dessa mosca que Pavan comprovou que há genes que não funcionam e que nem todas as células possuem a mesma quantidade de DNA. Com essas descobertas Pavan derrubou dois mitos da genética da década de 1950.


Outros nomes

A quantidade de nomes que contribuíram e contribuem para que a USP seja reconhecida internacionalmente e tenha boas colocações nos rankings internacionais é enorme. São mais de 5 mil docentes e 70 mil alunos, desses mais de 25.007 mil são da pós-graduação, contribuindo para os avanços científicos.

Desses números da população acadêmica, os nomes como Berta Lange, Boris Fausto, Alfredo Bosi, Florestan Fernandes, Vilanova Artigas, Milton Santos, José Marques de Melo, Marilena Chauí, Maurício Rocha e Silva, Luiz de Queiros Orsini também são destaques importantes na história da Universidade e não podem ser esquecidos toda vez que a qualidade do corpo de alunos e professores é questionada.