Notícia

Gazeta Mercantil

Governo dará verba para Embraer

Publicado em 28 junho 2000

Por Adriana Vilella - de São Paulo
O protocolo para a criação do Distrito Aeroespacial no município paulista de Gavião Peixoto, na região de Araraquara, será assinado hoje pelo governador Mário Covas (PSDB), mas um dos principais convidados para a cerimônia, o presidente da Embraer, Maurício Botelho, não confirmara sua presença até ontem à noite, segundo informou sua assessoria de imprensa. Nota do Palácio informa que a Embraer anunciará seus novos investimentos durante o evento. A expectativa, disse a secretária adjunta de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado, Bety Schifnagel Abromowicz, contudo, é que a empresa oficialize a notícia de construção de uma fábrica de aviões e de uma pista de cinco quilômetros na região. Confirmada, a decisão levará à assinatura de um projeto para inovação tecnológica, de US$ 120 milhões entre a Embraer e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), por seis anos. A discrição da Embraer no tratamento do assunto decorreria de seu avanço nos entendimentos com os governos de Minas Gerais, Paraná e Bahia, comenta-se no Palácio. O governo paulista tomou a dianteira nessas negociações ao oferecer vantagens, como o convênio com a Fapesp e a doação do terreno de 600 alqueires para o empreendimento. Mas também o local da fábrica é uma questão indefinida. Cerca de 200 alqueires da área total selecionada pela Embraer, com a ajuda da consultoria Simonsen & Associados, pertencem ao grupo Cutrale, produtor e exportador de suco de laranja, atividade econômica que ocupa 92% da região. Segundo o diretor jurídico da Cutrale, Mário Queiroz, não há o menor interesse da Cutrale no assunto. "Nosso negócio é produzir laranja, não comprar ou vender terra. Não temos interesse nenhum nisso, mas estamos conscientes de que nossa vontade não conta muito, porque eles podem simplesmente desapropriar a área", avalia o diretor. Segundo Queiroz, o único contato do governo com a empresa até agora foi feito por Rubens Gurgel, assessor especial da Secretaria de Estado, da Ciência e Tecnologia. "A Cutrale tem 1.200 alqueires de terra produtiva aqui e o governo não disse nem mesmo em que parte estaria interessado. Pode ter certeza que, ao contrário das notícias que tenho lido por aí, não há ainda entendimento algum entre nós". O projeto da quarta fábrica da Embraer demandará US$ 150 milhões para produzir aviões militares e jatos ERJ-170 e ERJ-190.