Notícia

Vale Paraibano

Governo abre corrida pela sucessão no Inpe

Publicado em 11 junho 2005

Ministério recebe inscrições para o comitê de buscas que definirá o novo diretor do instituto; prazo termina dia 30 de julho

O Ministério da Ciência e Tecnologia abriu anteontem a habilitação para pessoas interessadas em se candidatar ao cargo de diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), em São José dos Campos.
O 'comitê de busca' --instituído para coordenar o processo-- receberá até o dia 30 de julho o currículos dos candidatos.
O documento deve ser acompanhado de um texto de até cinco páginas, onde deve constar uma proposta de gestão para o instituto.
Além de competência profissional reconhecida e visibilidade junto à comunidade científica, também é exigida experiência administrativa e em cooperação nacional e internacional, além de visão estratégica, que possibilite tratar de maneira integrada questões científicas, administrativas e políticas.
O processo seletivo incluirá uma entrevista dos candidatos com os membros do comitê de busca, em local e data ainda a definir.
Após esse processo seletivo é elaborada uma lista tríplice, que subsidiará a escolha do ministro Eduardo Campos para a nomeação do novo diretor.
A instalação de comitês de buscas para definir os ocupantes de cargos de direção das unidades de pesquisa é um processo adotando usualmente, segundo informou o Ministério da Ciência e Tecnologia.
NOMES- No caso do Inpe, o comitê é presidido por Celso Pinto de Melo, professor da Universidade Federal de Pernambuco, e tem como membros Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e professor da Unicamp (Universidade de Campinas), Marco Antônio Raupp, do Laboratório Nacional de Computação Científica, Michal Gartenkraut, do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), de São José, e o ministro Everton Vieira Vargas, do Ministério das Relações Exteriores.
Até o final da tarde de ontem nenhuma pessoa ainda havia se inscrito, de acordo com a assessoria de imprensa do ministério.
O último diretor do instituto, Luiz Carlos de Miranda, pediu exoneração do cargo em abril depois de forte desgaste com a proposta de mudança na gestão orçamentária no órgão.