Notícia

Sociedade Brasileira de Computação

Globaltech 2006 reunirá de 23 a 28 de maio, na Fiergs, em Porto Alegre, empresas, universidades, cie

Publicado em 22 maio 2006

Socializar o conhecimento científico, tecnológico e o estímulo à ciência. É com esse objetivo que o Centro de Exposições da FIERGS (Avenida Assis Brasil, 8787) será palco da segunda edição da Globaltech 2006 — Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação, a maior feira do gênero em toda América do Sul, de 23 a 28 de maio.
Nos 10 mil metros quadrados de área, a feira receberá 50 expositores, entre empresas, universidades, cientistas, instituições de ensino e pesquisa, empreendedores e organizações não-governamentais de diferentes regiões do Brasil e do mundo.
A solenidade de abertura acontece no dia 23 de maio, às 14h, com a presença do governador do Estado do Rio Grande do Sul Germano Rigotto e do presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Paulo Tigre.
A abertura ao público acontece às 16h.
A mostra pretende servir para proporcionar aos participantes uma plataforma para formação de parcerias e alianças estratégicas, visando a melhoria do acesso ao mercado e à competitividade nacional. Além de promover e exibir para o mercado as novidades da indústria, a Globaltech 2006 — Feira de Ciência, Tecnologia e Inovação vai exercitar seu projeto de ser um evento inovador que oferece ao público a evolução da tecnologia incorporada ao dia-a-dia das pessoas.
Conforme a secretária da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Renita Dametto, a Globaltech 2006 é a vitrine do avanço tecnológico do Rio Grande do Sul, destacando as inovações produzidas em nossas universidades, empresas, parques tecnológicos e centros de pesquisa e desenvolvimento. "É, também, uma excelente oportunidade para conhecermos as novidades do mundo científico e agregarmos conhecimento. A feira representa o Rio Grande Tecnológico que estamos construindo", diz ela.
O evento é único no conceito de apresentar e informar, proporcionando a experimentação e o estímulo ao conhecimento científico e tecnológico para todos os tipos de públicos e empresas. A cada ano, as inovações tecnológicas se superam com uma velocidade cada vez maior, impactando e gerando profundas modificações na forma de vida do ser humano e na competitividade das empresas no mundo globalizado.
A Globaltech pretende identificar as tecnologias mais emergentes no mundo e apresentá-las ao público de diferentes formas, seja através de palestras, seminários, exposição, experimentação ou outra qualquer que possibilite maior facilidade de compreensão.
"Como parceiro técnico do evento, o SENAI sente-se estimulado e desafiado a cumprir esse papel, apresentando em seu espaço as inovações que utiliza nos campos da Educação Profissional e dos Serviços Tecnológicos. Mas, acima de tudo, articulando-se com as diversas instituições e empresas nacionais e internacionais, geradoras do conhecimento científico e tecnológico, para trazer ao evento as mais importantes inovações", comenta José Zortéa, diretor regional do SENAI-RS e integrante da comissão organizadora da Globaltech 2006.
Exposição Interativa — O complexo da Feira reunirá as áreas de Biotecnologia, Informação e Comunicação, Meio Ambiente e Energia, Habitação, Transportes, Saúde, Alimentação, Educação, Produção Integrada, nanociência, nanotecnologia e Robótica, todas vinculadas à melhoria da qualidade de vida.
Os visitantes poderão acompanhar uma etapa do First Robotics Competition, uma competição mundial de disputa entre robôs, com a participarão de times do Brasil e EUA. O First (For Inspiration and Recognition of Science and Technology) é uma instituição sem fins lucrativos, com sede nos Estados Unidos, que promove competições entre estudantes de primeiro e segundo graus. A competição de robôs acontece desde 1992, e desafia as equipes e seus orientadores a resolver um problema comum em um período pré-determinado, utilizando peças padronizadas, disponíveis a todos os participantes, e segundo regras estabelecidas.
Uma das grandes atrações, a nanociência e a nanotecnologia, poderão ser vistas na NanoAventura, uma exposição interativa e itinerante de ciências, com o objetivo de apresentar conceitos das duas áreas. As técnicas desenvolvidas para estudar o que está em escala nanométrica, não visíveis a olho nu, são usadas pela nanotecnologia para criar materiais que não existiam antes, como roupas impermeáveis, novos tipos de baterias, vidros autolimpantes e cosméticos com profunda penetração.
A experiência é inovadora e foi desenvolvida por professores e pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), em parceria com a Prefeitura Municipal de Campinas e com o Instituto Sangari, e apoio da Fundação Vitae e da FAPESP.
Os participantes vão percorrer um circuito de jogos eletrônicos durante uma hora, onde podem, entre outras atividades, curar uma célula doente, criar novos materiais e fazer um passeio virtual em laboratórios de pesquisa. Quanto maior a animação, mais as músicas em ritmo de rap e funk envolvem as pessoas nesse grande laboratório cujo grande objetivo é apresentar ao público a ciência e a tecnologia.