Notícia

O Povo

Giro pela Ciência

Publicado em 14 maio 2017

1 - PODERES CURATIVOS

Veneno da cascavel em estudo

Encontrada no veneno de serpentes cascavéis (Crotalus durissus), a crotoxina é uma molécula que já apresentou em experimentos laboratoriais potencial para ser usada como anti-inflamatório, analgésico, antitumoral, imunomodulador e até como um paralisante muscular mais potente que a toxina botulínica. Porém, para que esse potencial terapêutico possa ser transformado em fárrnacos, é preciso antes se compreender em detalhes como a crotoxina interage com as células humanas. Avanços importantes nesse campo de estudo foram apresentados por pesquisadores brasileiros em artigo publicado na revista Scientific Reports, do grupo Nature. (Agência Fapesp)

2 - À BASE DE CANNABIS

Venda de fármacos começa no Chile

Dois fárrnacos à base de cannabis e recomendados para tratar dores crônicas começaram a ser vendidos na última semana pela primeira vez em farmácias chilenas. Depois de receber a autorização do Instituto de Saúde Pública (IPS), o laboratório canadense Tilray começou a vender os medicamentos T100 e TC100, apresentados como alternativa para algumas patologias cujos tratamentos convencionais não foram efetivos, diz comunicado da importadora Alef Biotechnology. "Se gera a oportunidade de dar acesso no país aos que precisam clinicamente de novas alternativas de qualidade ante doenças corno a dor crônica", disse Roberto Roizrnan, presidente desta companhia. (AFP)

3 - COMBUSTÍVEL

Sensor avalia padrões do etanol

Pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP), desenvolveram um sensor para avaliar a qualidade do combustível de maneira simples, rápida e prática. O dispositivo, criado no Laboratório Nacional de Nanotecnologia (LNNano), tem a capacidade de atestar, em segundos, se o etanol avaliado está dentro dos padrões de consumo. De acordo com Carlos César Bof Bufon, responsável pelo projeto, a tecnologia tem potencial para substituir o densímetro, comumente encontrado nas bombas de combustível, e funciona com mais praticidade que métodos laboratoriais de análise. (Agência Fapesp)