Notícia

Diário do Nordeste

Gente de Empresas

Publicado em 27 novembro 2006

O Ceará tecnológico
Não é novidade para ninguém por essas bandas que o Padetec - Parque de Desenvolvimento Tecnológico, da Universidade Federal do Ceará, colocou o Ceará no topo da inovação tecnológica brasileira. Atualmente, o Padetec é um dos mais modernos centros de pesquisa do País, com referência em laboratórios de análise e que já colocou no mercado dezenas de empresas bem sucedidas. Em quinze anos de atividades, a incubadora cearense recebeu o Prêmio Finep de Inovação Tecnológica em 2002, 2004 e 2005. Este ano, a Nuteral Indústria de Formulações Nutricionais Ltda, empresa também originária do Padetec, foi a vencedora do Prêmio Finep de Inovação Tecnológica, na categoria pequena empresa na Região Nordeste. E agora, mais uma conquista para os cearenses: a Polymar Ciência e Nutrição S/A, uma empresa criada e incubada no Padetec, e que atua na área de suplementos alimentares, alimentos funcionais e fitoterápicos, vai receber o Prêmio Iberoeka de Inovação Tecnológica.

Reconhecimento mundial
A Finep - Financiadora de Estudos e Projetos, é o órgão gestor do programa no Brasil e um júri formado por cientistas de diversos países foi o responsável pela escolha. O Prêmio Iberoeka de Inovação Tecnológica é uma iniciativa internacional que visa promover a cooperação empresarial entre países ibero-americanos para a inovação e o desenvolvimento tecnológico. O projeto premiado é uma parceria entre a Polymar, a Universidad de la República do Uruguai e a empresa Chortitzer Komitee, do Paraguai.

Valor agregado
O trabalho em parceria desenvolvido no Padetec gerou uma técnica capaz de transformar o óleo da espécie "Bulnesia sarmientoi", conhecida como pau-santo, em produtos de alto valor agregado. O óleo essencial da planta é vendido no mercado internacional por US$ 10 o quilo, em especial para a indústria de perfumaria, devido à sua alta concentração de guaiol, composto usado na produção de perfumes e que chega a custar US$ 100 o quilo.

Ganho geral
O superintendente do Padetec, Afrânio Craveiro, revela que o processo é feito com a utilização de solventes químicos para precipitar o óleo. Ao ser filtrado, ele se divide em solvente, óleo residual que não foi cristalizado e o guaiol sólido. Em entrevista à Agência Fapesp, Craveiro ressaltou que a técnica não compromete o óleo essencial, que permanece com seu valor comercial de venda no mercado.

Ganho otimizado
"Um ganho bem maior pôde ser obtido, pois a cada dez quilos de óleo de pau-santo processado foi possível obter um quilo de guaiol, sobrando ainda nove litros do óleo para comercialização", informa Craveiro, dizendo que, com base nos resultados do projeto, um contrato de transferência de tecnologia foi assinado entre a Polymar e a Chortitzer. É o Ceará exportando tecnologia.

Com excelência
Uma planta industrial para produção de guaiol cristalizado foi montada e testada primeiramente em Fortaleza, para depois ser transferida para o Paraguai. De acordo com Craveiro, "o guaiol sólido já está sendo produzido na região do Chaco com pureza de 99%".

Com inovação
A cerimônia de entrega do Prêmio Iberoeka de Inovação Tecnológica vai acontecer nos dias 4 e 5 de dezembro, em Buenos Aires, na Argentina, durante o 7º Fórum Iberoeka. A Polymar atua no mercado de suplementos alimentares há 10 anos e iniciou suas atividades a partir da pesquisa sobre Quitosana, um fibra largamente utilizada nas mais variadas aplicações e abre, agora, um novo segmento dentro de seu negócio, o fornecimento de derivados de Quitosana para as mais variadas aplicações, desde o setor alimentício até o cosmético.

Com avanço
A Polymar, atuando no setor de alimentos funcionais, nutracêuticos e suplementos alimentares, tem 80% de seu faturamento baseados em produtos lançados há menos de três anos e já possui nove patentes registradas no INPI - Instituto Nacional da Propriedade Industrial, tendo desenvolvido um processo inédito de produção de quitosana a partir de carapaças de crustáceos. Um avanço da pesquisa cearense.

No mais
É saber que, no ano passado, a Polymar investiu 12% de seu faturamento em Pesquisa & Desenvolvimento, percentual acima da média das empresas do setor. Com um total de 36 funcionários, oito estão alocados na área de P&D. Além disso, a empresa trabalha em parceria com a Universidade Federal do Ceará, a Petrobras e a Embrapa. A indústria está equipada para produção e fornecimento de matéria-prima, encapsulados e comprimidos.
Vale a pena refletir com Carl Gustav Jung: "Todos os efeitos são recíprocos e nenhum elemento age sobre outro sem que ele próprio seja modificado".