Notícia

DCI online

Fundação paulista incentiva a internacionalização da pesquisa

Publicado em 19 agosto 2013

SÃO PAULO - A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) divulgou recentemente dados que mostram que o número de pesquisadores estrangeiros tem estimulado e aumentado a internacionalização da pesquisa no estado. O exemplo que mais se destaca é o das ciências exatas e da Terra; em 2007, 16% das bolsas de pós-doutorado da Fundação foram concedidas a pesquisadores que se graduaram em outros países. Já entre as novas bolsas do ano de 2012, esse índice aumentou para 34%. Entre 2007 e 2012, somente na área de ciências biológicas, o aumento foi de 6% para 11%, e em ciências sociais aplicadas, saiu do zero para 6%.

A Fapesp criou em 2009 o Espca (Programa Escola São Paulo de Ciência Avançada), modalidade de apoio que busca aumentar a exposição internacional de áreas de pesquisa de São Paulo que já são competitivas mundialmente.

A vinda dos pesquisadores do exterior também é acompanhada por um movimento de ida de estudantes e pesquisadores brasileiros para fazer estágios em outros países. Entre outubro de 2011 e maio de 2013, a Fapesp concedeu 1.135 bolsas por meio da Bepe (Bolsa Estágio de Pesquisa no Exterior), programa destinado a alunos de iniciação científica, mestrado e doutorado e pesquisadores de pós-doutorado. Os EUA têm a preferência nos estágios, com duração de um mês a seis anos. Nesse período, o país recebeu 420 bolsistas de São Paulo apoiados pela Fapesp, dos quais 136 das biológicas e 80 das exatas. A França recebeu 108 bolsistas, 27 da área de humanas.

Agências