Notícia

FAPERJ - Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro

Fundação inicia atuação internacional com edital em parceria com Argentina

Publicado em 18 abril 2013

A Fundação lança, nesta quinta-feira, 18 de abril, edital de Cooperação Bilateral FAPERJ-Conicet – 2013.  O programa é o primeiro a ser lançado como resultado do acordo de cooperação com o Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas de La República Argentina (Conicet). Com R$ 2,5 milhões em recursos, o programa de Cooperação Bilateral FAPERJ-Conicet – 2013 se destina a promover e financiar projetos conjuntos, em todas as áreas do conhecimento, entre pesquisadores de instituições de ensino e pesquisa fluminenses – que devem ser submetidas à FAPERJ – e do Conicet – a quem devem ser encaminhadas as propostas de especialistas na Argentina. Os projetos, que devem ser desenvolvidas entre 2013-2015, serão avaliados paralelamente pela FAPERJ e pelo Conicet, e precisarão da aprovação de ambas as instituições para a sua execução.

Podem submeter projetos equipes formadas por pesquisadores com vínculo empregatício ou funcional em instituições de ensino superior ou de pesquisa, públicas ou privadas, sediadas no Rio de Janeiro, desde que trabalhem em colaboração com pesquisadores vinculados ao Conicet. As propostas submetidas precisam contar com a anuência do dirigente máximo da instituição de origem do proponente. Da equipe, podem participar pós-doutores, com bolsas ativas de agências de fomento – e doutorandos – desde que o coordenador do projeto solicite autorização prévia à FAPERJ, com apresentação do respectivo plano de trabalho a ser cumprido. Outro requisito do edital é que o proponente deve obrigatoriamente ser  coordenador de projeto vigente apoiado pela FAPERJ ou Cientista do Nosso Estado ou Jovem Cientista do Nosso Estado . A proposta inscrita deve apresentar um plano de trabalho desenvolvido em conjunto entre os pesquisadores fluminenses e os argentinos apoiados pelo Conicet. Um Comitê Especial de Julgamento, designado pela diretoria da FAPERJ, avaliará os projetos segundo diversos critérios, como mérito, excelência científica, abrangência e relevância do tema abordado, objetivos, método, originalidade, potencial de inovação científica e tecnológica, possibilidade de desenvolvimento de produtos e processos, metas globais a serem alcançadas e abordagem multi e interdisciplinar; a interação e qualificação das propostas, agregação institucional, inclusive do setor privado, quando houver; importância estratégica, benefícios e pertinência da cooperação internacional. Também serão julgados a qualificação dos coordenadores e das equipes, sua experiência em coordenação de projetos de cooperação internacional no tema proposto, competência, titularidade e coprodução científico-tecnológica; capacidade de formação e capacitação de recursos humanos.

Cada projeto poderá solicitar um valor máximo de R$ 100 mil e permitirá até duas missões de intercâmbio – uma a cada ano do prazo máximo estabelecido para o desenvolvimento da proposta, que é de 24 meses. Cada pesquisador somente poderá ser beneficiado com esse intercâmbio uma única vez durante a vigência do projeto. Os recursos do programa financiarão tanto despesas de capital, como a aquisição de materiais permanentes e de equipamentos; quanto despesas de custeio, em que se enquadram serviços de terceiros, de caráter eventual, incluindo manutenção de equipamentos e pequenos reparos e adaptações de bens imóveis; material de consumo, componentes e/ou peças de reposição de equipamentos; despesas de importação; passagens aéreas Brasil-Argentina-Brasil, em classe econômica, para membros da equipe vinculados a instituições sediadas no Estado do Rio do Janeiro; diárias na Argentina para membros da equipe vinculados a instituições fluminenses, por até 30 dias; e seguro-saúde no valor de até R$ 150, obrigatório para cada pesquisador brasileiro em missão ao exterior.

O presidente da FAPERJ, Ruy Marques, afirmou: “Temos feito grandes esforços para aumentar a nossa inserção internacional. Desde 2010, contamos com a bolsa para estágios de doutorando no exterior (“doutorado-sanduíche”); nesse mesmo ano, lançamos edital de cooperação internacional com o INRIA (França), na área de tecnologia de informação. Criamos uma assessoria internacional que vem trabalhando no contato com diversas organizações internacionais; lançamos um programa para financiar a implantação ou implementação de assessorias internacionais em nossas instituições científicas e tecnológicas (ICTs), com editais lançados em 2012 e 2013; e amanhã mesmo estaremos nos reunindo com representantes de duas importantes universidades inglesas, visando ao estabelecimento de novas parcerias. Nos próximos meses, vamos lançar uma modalidade de bolsa para atrair doutorandos do exterior para estagiarem em nossos programas de pós-graduação de excelência (“sanduíche-reverso”), um novo programa já aprovado pelo Conselho Superior da FAPERJ. Estes são exemplos de como vimos nos dedicando ao tema da internacionalização do fomento em C,T&I. Esta chamada para cooperação bilateral com o CONICET (Argentina) que lançamos hoje é uma de muitas que deverão se seguir, pois vimos dialogando com diversas organizações internacionais visando propiciar o lançamento de novos programas de cooperação. Em toda essa busca de parcerias, objetivamos não somente o intercâmbio de pesquisadores e alunos, mas também o desenvolvimento de trabalhos de pesquisa em parceria com grupos do exterior. O lançamento deste novo programa em parceria com o CONICET veio em hora bastante apropriada. Até como uma forma de comprovação desse nosso esforço para internacionalização das atividades da FAPERJ”.

O prazo para submissão de projetos se estende até 4 de julho e a divulgação de resultados está prevista para acontecer a partir de 19 de setembro.

Para discutir uma atuação internacional em C,T&I

No mesmo esforço de internacionalizar sua atuação, a FAPERJ está organizando, para o dia 30 de abril, o segundo de seu ciclo de seminários: o de Cooperação Internacional em Ciência, Tecnologia e Inovação: Panorama, Desafios e Oportunidades.

O evento, que terá lugar na Academia Brasileira de Ciências (ABC), contará, na abertura, com a participação do secretário estadual de Ciência e Tecnologia, Gustavo Reis Ferreira, e terá duas mesas-redondas. A primeira delas, com moderação do presidente da ABC, Jacob Palis, e os conferencistas Pedro Spadale, subsecretário estadual de Relações Internacionais; Glaucius Oliva, presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); Jorge Guimarães, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes); Ademar Seabra da Cruz, chefe da divisão de Ciência e Tecnologia do Ministério das Relações Exteriores (MRE); e Edson Correa da Silva, vice-reitor da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf). A segunda mesa redonda contará com a participação dos diretores científicos das fundações de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp), Carlos Henrique de Brito Cruz, e José Policarpo Gonçalves de Abreu, de Minas Gerais (Fapemig); Débora Foguel, pró-reitora da Universidade Federal de Rio de Janeiro (UFRJ); Monica Heilbron, subreitora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj); Antonio Prado, coordenador de Cooperação Técnica da Embrapa; e Denise Neddeemeyer, diretora de Relações Internacionais da Capes. “Vamos realizar um seminário sobre os desafios da cooperação internacional no setor de C&T, a participação das agências federais, de outras FAPs e de ICTs será uma contribuição importante para discutirmos a situação em que nos encontramos e a busca de soluções para os desafios que se impõe. As agências de fomento no País vêm buscando cada vez mais ampliar o escopo de seus programas de fomento e as relações de cooperação com instituições científicas e tecnológicas estrangeiras – o caminho inverso também é verdadeiro – são várias as missões de instituições e agências internacionais que tem nos procurado com o intuito da celebração de acordos de cooperação”, declarou.

No mesmo sentido, a FAPERJ também vem apoiando, ajudando a promover as discussões e estimulando a criação da rede das Assessorias de Relações Internacionais das Instituições de Ensino Superior do Estado do Rio de Janeiro (Reari-RJ), que será formalizada com a assinatura de seu estatuto, na próxima quinta-feira, 25 de abril, no auditório do prédio anexo ao Palácio Guanabara.