Notícia

Jornal do Brasil

Fósseis dão pistas sobre mistérios da evolução

Publicado em 11 janeiro 1996

LONDRES — Descobertas recentes devem preencher algumas lacunas importantes na história de evolução. Pesquisadores encontraram, na Espanha, o esqueleto fossilizado de um primata de 9,5 milhões de anos que pode esclarecer como os primeiros hominídeos se adaptaram à posição ereta. Na China, um cientista achou os ancestrais mais próximos dos pássaros atuais. Segundo a revista Nature, o fóssil do macaco Dryopithecus laietanus, um parente do orangotango moderno, foi descoberto na Catalunha pelos pesquisadores Salvador Maya Sola e Meike Kohler, do Instituto de Paleontologia Miguel Crusafont, de Sabadell. Os ossos estão dispersos em uma área de 900 metros quadrados. Todo o material, inclusive um exemplar do crânio, pertence ao mesmo macho adulto, que foi desmembrado por predadores carnívoros", escreveram os pesquisadores. Os cientistas contam que este tipo de material é extremamente raro. Não se conhece praticamente nenhum esqueleto de primatas entre os macacos quadrúpedes — que viveram há 18 milhões de anos — e os hominídeos bípedes — de 3,5 milhões de anos. O esqueleto recém-descoberto sugere claras adaptações para a locomoção ereta dos orangotangos de hoje, afirmam os autores. Suas vértebras lombares, por exemplo, são proporcionalmente menores do que as dos primatas mais recentes, enquanto as mãos evoluíram para poderem agarrar objetos. Do outro lado do mundo, o cientista chinês Lian-hai Hou anunciou ter descoberto, na província de Liaoning, dois fósseis de ancestrais das aves modernas. Um deles possui ossos capazes de sustentar músculos fortes para o vôo. O outro fóssil apresenta uma estrutura óssea semelhante à dos pássaros atuais, que localiza o centro de gravidade sobre as asas e permite que a cauda seja usada como leme. O pesquisador acredita que ambos os fósseis são do período jurássico, há 142 milhões de anos. Eles seriam cinco milhões de anos mais novos do que o Archaeopteryx, o dinossauro de penas.