Notícia

Jornal do Comércio (RS)

Fósseis ajudarão a compreender salto evolutivo

Publicado em 29 junho 2017

“As cidades de Ladário e Corumbá, no Mato Grosso, guardam respostas para um dos maiores mistérios da ciência”, revela Ricardo Trindade, geofísico do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador de visita que inventariou geossítios no Pantanal Mato-grossense. Segundo ele, a presença de fósseis importantes no Mato Grosso chamou a atenção de cientistas do mundo inteiro, por trazer pistas para compreender os caminhos da evolução na Terra. Trata-se de organismos marinhos – as corumbellas e cloudinas – que habitaram a região.

A relevância da investigação é o fato destes organismos terem habitado a Terra entre dois períodos geológicos bastante importantes (o Criogeniano e o Cambriano), quando aconteceram grandes inovações biológicas no Planeta. Foi durante o Cambriano, há cerca de 530 milhões de anos, que começou a surgir uma diversificação de animais e apareceram formas de vidas mais complexas, que foram relacionadas às mudanças ambientais.

Agora, pesquisadores da USP se juntarão a outras equipes de geofísicos, paleontólogos, químicos e biólogos brasileiros e estrangeiros para tentar compreender como e quando se deu este salto evolutivo, e quais eram as condições da Terra nesta época.

Cientistas do Brasil, França, Alemanha, Estados Unidos, Inglaterra e China vão investigar vestígios fósseis e traços químicos deixados em rochas no Brasil, na África e na China durante a grande transição biológica. Uma equipe de pesquisadores da USP já está na cidade de Ladário, Mato Grosso, para coleta de material e análises em laboratório, a fim de saber quais foram os fatores ambientais que influenciaram na mudança no tipo de vida que existia na superfície do planeta Terra.

Umas das hipóteses consideradas foi o aumento do oxigênio e de nutrientes. O projeto temático O sistema Terra e a evolução da vida durante o Neoproterozoico, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapesp), reúne cientistas destes países, com a coordenação de Trindade.

Os fósseis de cloudinas e corumbellas – espécies que habitaram a superfície terrestre no período Ediacarano, entre 630 e 542 milhões de anos atrás – já haviam sido encontrados em outros lugares do mundo, como a Namíbia, Omã, Argentina, Paraguai, Espanha e China.