Notícia

Cosmo

Fórum discute transporte ferroviário

Publicado em 04 setembro 2006

Dois grandes equívocos urbanísticos estão sendo cometidos em Campinas nesse momento, segundo o pesquisador Luiz Cláudio Bittencourt: o primeiro é a instalação da nova rodoviária dentro do Complexo Ferroviário e o segundo, a construção de um corredor segregado de ônibus que vai correr paralelo ao leito da extinta Companhia Paulista de Estrada de Ferro, o chamado Corredor Noroeste.

"São decisões que mostram a falta de domínio do que significa a Região Metropolitana de Campinas (RMC) e de sensibilidade do que significa o conjunto ferroviário" , afirmou o arquiteto, nesta segunda-feira, na abertura do fórum Diálogos sobre Trilhos.

Esse fórum, que reúne especialistas de diversas localidades, se propõe a uma reflexão sobre a história do transporte ferroviário na América Latina, tendo como foco a preservação do patrimônio, seu significado social e a sua apropriação para atividades de turismo, lazer e cultura. O encontro termina hoje, na sala 800 do Campus 1 da PUC-Campinas.

O arquiteto Luiz Cláudio Bittencourt coordena o projeto O papel dos leitos, pátios e conjuntos edificados ligados às ferrovias na estruturação urbanística para o município e a Região Metropolitana de Campinas. Esse projeto, em políticas públicas, é financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

Ele observa que o atual terminal rodoviário esgotou os sistemas de transporte e viário daquela região e que é um grande equívoco transferi-lo para uma distância de 300 metros de onde se encontra. "Vamos ter problemas sérios no trânsito, até porque o volume de ônibus que irá para aquela área será muito maior do que entra hoje no terminal rodoviário, já que irá agregar os ônibus metropolitanos" , afirma.

O Corredor Noroeste vai seguir, observa um trajeto paralelo ao traçado do leito ferroviário do Paulista. "Estão ignorando isso, deixando de aproveitar uma estrutura de estações e leitos para fazer um corredor segregado que passa embaixo da rede de alta tensão, com muitos riscos. Sem contar que a opção adotada vai demandar a construção de novas estações, novo sistema viário e gestão em todas as cidades" , diz.

Para Bittencourt, a forma como os leitos, pátios e patrimônio ferroviários vem sendo tratados em Campinas mostra o enorme descaso com o passado e com o presente. Ele não quis comentar a proposta de intervenção urbanística apresentada pelo arquiteto Jaime Lerner na última quinta-feira para o Complexo Ferroviário Central de Campinas por desconhecer o projeto, mas falou que urbanisticamente, a cidade vem sendo saqueada há muito tempo.

"O que ainda restou dos últimos saques e que ainda mantém uma linguagem própria e que pode ter impacto na cidade é o conjunto de pátios e leitos ferroviários. Não consigo imaginar um projeto urbanístico para Campinas sem que seja capaz de articular seu passado e presente ao futuro desejado. Se não tivermos cuidado com o passado, com sua evolução econômica, seu avanço nas técnicas construtivas e de arrumação da cidade, o saque vai continuar" , afirmou.