Notícia

UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

Fórum de Arte e Cultura serve como "pedra fundamental" da Biblioteca de Obras Raras

Publicado em 06 outubro 2010

Por Luiz Sugimoto

"Obras raras e coleções especiais" é o tema de mais uma edição do Fórum Permanente de Arte e Cultura da Unicamp, que está lotando dois auditórios do Centro de Convenções. O evento, aberto na quarta (6) e que prossegue nesta quinta-feira, reúne grandes especialistas em coleções e arquivos raros e especiais, como da Biblioteca Nacional, Projeto Brasiliana USP, Fundação Casa de Rui Barbosa, Biblioteca Oliveira Lima (da Universidade Católica de Washington) e Biblioteca do Congresso dos EUA. O objetivo é discutir critérios para reunir, preservar e disponibilizar estes acervos diferenciados.

"O fórum é quase como a pedra fundamental da nossa Biblioteca de Obras Raras e Coleções Especiais, a Bora, um projeto que tem a ambição de constituir um novo paradigma na área de preservação de arquivos e bibliotecas. Trata-se da integração de competências - arquivistas, técnicos, bibliófilos e docentes tanto de humanas como de exatas - para constituir um grupo que pense a gestão ampla de todo o acervo", afirmou o professor Edgar Salvadori De Decca, coordenador geral da Universidade.

De Decca refere-se à construção de um prédio de 3,5 mil metros quadrados, com financiamento de R$ 8,3 milhões da Finep e custo total de R$ 11,5 milhões, com a diferença sendo assumida pela Unicamp. O Projeto Bora, sob coordenação geral da CGU, foi elaborado por um grupo de trabalho formado por docentes e profissionais de diversas áreas. "Já estão em julgamento projetos na área de informatização e digitalização do acervo que apresentamos a Petrobras e BNDES. Novos recursos podem vir ainda este ano".

Presente à cerimônia de abertura do evento, o reitor Fernando Costa recordou de suas visitas à biblioteca de obras raras da Universidade de Yale (EUA) e da sensação de grandiosidade que ela lhe causou. "O prédio chama atenção por sua arquitetura: não tem janelas e é feito de uma pedra que transmite luminosidade extremamente imponente. É como entrar numa catedral medieval, com todas aquelas coleções únicas, que me impressionavam muito. Construir biblioteca semelhante na Unicamp sempre passou pela minha cabeça como uma possibilidade, que agora se concretiza".

O professor Alcir Pécora, diretor do Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) e coordenador do grupo de trabalho do Projeto Bora, disse que o fórum reúne alguns dos maiores especialistas do mundo em obras raras. "Não temos apenas que construir o prédio, mas também os saberes em torno das várias ações especializadas nesta área. Na prática, o evento vai servir como um workshop para verificarmos as possibilidades que temos para o longo caminho até formularmos, efetivamente, a política de obras raras a ser adotada na Unicamp".

O interesse pelo fórum de "Obras raras e coleções especiais" surpreendeu a organização, que foi obrigada a encerrar as inscrições quando o número chegou perto de 600 pessoas. "Há muita carência de informações nessa área de gestão de documentos e livros raros. Daí o interesse enorme de arquivistas, bibliotecários, documentaristas, restauradores, educadores, pesquisadores, bibliófilos. Pretendemos tornar o fórum contínuo, criando uma cultura de preservação na Universidade", observou Neire do Rossio Martins, diretora do Arquivo Central do Sistema de Arquivos da Unicamp (Siarq).

Brasiliana - Pedro Puntoni, coordenador geral do Projeto Brasiliana, veio contar um pouco da experiência em curso na USP. "A doação da Biblioteca Mindlin foi a base do projeto, que prevê um moderno edifício para abrigar a coleção, e outro para laboratórios de digitalização, centro de restauro, equipamentos didáticos e sala de aula. Quando o prédio começou a ser erguido, foi feito um projeto de pesquisa Fapesp para a digitalização não apenas do acervo de Mindlin (cerca de 17 mil títulos com 40 mil volumes), mas também de outras coleções selecionadas pelas bibliotecas da USP. Quanto ao prédio, deverá funcionando plenamente no início de 2012".

A palestra de abertura foi concedida por Thomas Cohen, diret6r da Biblioteca Oliveira Lima, a mais importante biblioteca de brasilianas fora do país. Cohen é autor daquela que é considerada a melhor biografia de Padre Vieira, The fire of tongues - Antonio Vieira and the missionary church in Brazil and Portugal (Stanford University) e recebeu de Fernando Henrique Cardoso a Ordem do Rio Branco, por seu trabalho de divulgação da cultura brasileira no exterior. "Nós todos que trabalhamos com livros raros temos uma tarefa muito especial, de grande responsabilidade, e precisamos ser merecedores dessa tarefa. Estou muito comovido com este projeto que vocês estão iniciando na Unicamp".