Notícia

Biominas Brasil

Fontes Interessantes para Prospecção Tecnológica

Publicado em 01 agosto 2017

Introdução

Recentemente, escrevemos um artigo trazendo alguns dos principais motivos que atrapalham as organizações na hora de gerar inovações em seu negócio.

Entre eles, citamos a falta de um ambiente que estimule a criatividade, o engessamento de certas empresas na hora de ouvir o que seus funcionários têm a dizer e o medo que alguns gestores possuem de promover grandes mudanças em seu negócio.

Evidentemente, nenhum dos fatores apresentados promoverá grandes mudanças em sua organização, se considerados isoladamente. A inovação faz parte da estratégia de sua empresa, e por isso, deve considerar todos os elementos que a compõem.

Contudo, isso não significa que você obrigatoriamente precisa ter uma estrutura bem montada de P&D para conseguir inovar. Alguns dos problemas que apresentamos podem ser resolvidos internamente, sem grandes custos, e, além disso, existem outras estratégias que podem ser utilizadas para gerar inovação.

Entre elas, destacamos a prospecção tecnológica, que consiste basicamente na busca por projetos de pesquisa com potencial de aplicação industrial e mercadológica.

9 Técnicas utilizadas na Prospecção Tecnológica

Você provavelmente já sabe que as universidades são a principal fonte de projetos de pesquisa. Mas além delas, onde mais podemos encontrar tais projetos? E como a universidade se relaciona com essas instituições? Essa resposta vai depender do país a que estamos nos referindo, uma vez que cada um possui seu próprio ecossistema de inovação.

No caso específico do Brasil, existem fortes iniciativas de apoio à Ciência e Tecnologia, que se configuram como excelentes fontes de prospecção tecnológica.

Quer conhecê-las mais a fundo? Neste artigo vamos lhe apresentar as principais!

Agências de Fomento

Os editais de fomento promovidos pelas principais agências brasileiras são uma boa fonte para identificação de projetos que podem se tornar importantes tecnologias para a indústria e o mercado. Como cada edital possui suas próprias peculiaridades, e o trabalho de prospecção tecnológica costuma ser orientado por áreas específicas de interesse da empresa demandante, o fato de alguns deles possuírem foco em linhas de pesquisa específicas é um fator facilitador na busca pelos projetos. Em outras palavras, a análise dos editais é uma metodologia utilizada na prospecção.

Entre as agências de fomento, destacam-se as fundações de amparo à pesquisa, como a FAPEMIG (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais) e a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Ambas oferecem bolsas e auxílios à pesquisa para projetos em desenvolvimento, tanto na universidade quanto em pequenas empresas.

Além delas, o resultado de chamadas públicas do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) é outra excelente fonte, uma vez que compila os projetos com maior potencial tecnológico e de mercado.

Finalmente, os projetos financiados pela FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos) e pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) também podem ser boas oportunidades.

Programa INCTs

Sob orientação do governo federal, os INCTs nasceram em 2008 por meio da criação de um edital que visava reunir os melhores grupos de pesquisa em áreas estratégicas para o desenvolvimento científico do país. Como seus principais objetivos são fomentar a inovação como instrumento para o progresso econômico do país e investir na pesquisa em setores estratégicos, eles também se configuram como boas oportunidades na prospecção tecnológica.

Um de seus grandes diferenciais reside no fato de serem considerados núcleos colaborativos, que por envolverem diferentes agentes, como empresas, universidades e o setor público, permitem o compartilhamento de infraestrutura física e humana. Em outras palavras, sua estrutura organizacional permite o trabalho em conjunto de grupos de pesquisa menores, com diferentes expertises.

Atualmente, os INCTs têm suas sedes espalhadas por 17 estados brasileiros e são subdivididos em oito grandes áreas (Agrárias, Energia, Engenharia e Tecnologia da Informação, Exatas e Naturais, Humanas e Sociais, Ecologia e Meio Ambiente, Nanotecnologia e Saúde), comprovando sua importância no desenvolvimento de projetos em várias áreas estratégicas para o país.

As linhas de pesquisa, projetos, pesquisadores e tecnologias em desenvolvimento do programa INCTs podem ser consultadas aqui!

Plataforma Lattes

A importância da Plataforma Lattes se deve ao fato dela integrar bases de dados de Currículos, Grupos de pesquisa e Instituições, em um único sistema, que pode ser acessado por todos.

Entre as ferramentas que a plataforma possui, destaca-se o Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil, um inventário dos grupos em atividade no Brasil que traz informações relevantes, tais como: recursos humanos constituintes dos grupos, linhas de pesquisa e setores de atividade envolvidos, especialidades do conhecimento, produção científica, tecnológica e artística e padrões de interação com o setor produtivo.

Por todos esses motivos, a plataforma constitui-se como uma fonte valiosa de informações para estudos, pesquisas e, é claro, prospecções tecnológicas. O Lattes pode ser acessado aqui, e o Diretório dos Grupos de Pesquisa no Brasil aqui!

NITs

Regulamentados em 2004, mediante aprovação da Lei de Inovação, os NITs (Núcleos de Inovação Tecnológica) também são uma excelente fonte de informações para realização de prospecção tecnológica.

Isso se deve principalmente ao papel exercido por eles, dado que atuam na gestão das políticas de propriedade intelectual e essa, por sua vez, permite um maior controle das tecnologias e projetos de pesquisa que são desenvolvidos na universidade.

Como havíamos mencionado no artigo “10 técnicas de Prospecção Tecnológica”, a análise de patentes é uma das técnicas mais utilizadas na realização desse tipo de serviço. Um levantamento sobre os pedidos de patente realizados nos últimos anos, por exemplo, pode evidenciar diversas tendências do desenvolvimento tecnológico de um país.

Além disso, alguns NITs disponibilizam documentos descrevendo as tecnologias em desenvolvimento nas Universidades e Centros de Pesquisa representados por eles.

Ressalta-se, contudo, que o papel exercido pelos NITs não se resume à gestão de propriedade intelectual. Eles também exercem um papel importante como agentes de interface, em processos de transferência de tecnologia e co-desenvolvimento, por exemplo.

Grandes empresas apostam em co-desenvolvimento. Saiba mais!

Conclusão

Como você pôde ver, existem várias instituições e projetos que são boas fontes para realização de prospecção tecnológica. Exatamente por isso, realizar um mapeamento dos projetos que se enquadram no escopo de atuação de sua empresa não é tarefa fácil.

A Sanofi, que estava buscando projetos inovadores em desenvolvimento no Brasil nas áreas de Oncologia, Doenças Tropicais, Diabetes e Oftalmologia, também se viu diante desse problema, e por isso procurou a Biominas.

Como resultado, ela teve acesso a 240 projetos em desenvolvimento no Brasil nas áreas selecionadas. Após selecionar os que mais lhe interessavam, ainda recebeu uma due diligence dos mesmos. Mais detalhes aqui!

Espero que este artigo tenha sido útil para você e nos colocamos à disposição para conversar! Grande abraço!

Rafael Lustosa | Consultoria