Notícia

JC e-mail

Fluxo premiado

Publicado em 22 novembro 2006

Por Thiago Romero, Agência FAPESP

Trabalho feito no Instituto de Física da USP, que analisa escoamento do fluxo sangüíneo em ventrículo artificial, ganha Prêmio Cândido Pinto de Melo, da Sociedade Brasileira de Engenharia Biomédica

Um estudo inovador, desenvolvido durante a tese de doutorado de Eduardo Ferrara, defendida no Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP), foi premiado como o melhor trabalho no 20º Congresso da Sociedade Brasileira de Engenharia Biomédica, entre 170 apresentados.
O reconhecimento durante o evento, que ocorreu de 22 a 26 de outubro, em São Pedro (SP), rendeu ao pesquisador o Prêmio Cândido Pinto de Melo. O trabalho, desenvolvido em parceria entre o Instituto de Física da USP, o Centro de Tecnologia Biomédica (CTB) do Instituto do Coração (Incor) e a Universidade de Illinois, nos EUA, é intitulado Velocimetria de imagens de partículas aplicada ao estudo de dispositivos de assistência ventricular pediátricos.
Ferrara explica que a velocimetria de imagens de partículas é uma técnica consagrada no exterior, mas que ainda não tinha sido utilizada no Brasil para finalidades médicas.
No país, a técnica é usada para aplicações em engenharia naval e na indústria aeronáutica — no cálculo de coeficientes de arrasto em aerodinâmica, por exemplo.
O pesquisador adaptou a tecnologia para analisar o escoamento de fluidos sangüíneos no ventrículo artificial pediátrico, atualmente em desenvolvimento pelo Incor e que deverá ser liberado para uso clínico no início de 2007.
O ventrículo artificial é utilizado para oferecer auxílio circulatório ao coração de pacientes que aguardam por um transplante cardíaco.
"Adaptamos a velocimetria de imagens de partículas para ser utilizada como uma técnica capaz de analisar a distribuição de velocidades do sangue dentro do ventrículo artificial", disse Eduardo Ferrara à Agência Fapesp.
"Por meio dessa distribuição de velocidade, conseguimos identificar regiões com altas turbulências ou com estagnação do escoamento do sangue dentro do ventrículo. O sistema é formado por aplicações de laser de alta potência e câmeras de aquisição rápida de imagens", explica Ferrara.
Segundo ele, ao ser adaptada para a análise do escoamento de fluidos, a técnica pode ser usada para prevenir a formação de trombos, coágulos que circulam no sistema cardiovascular aumentando os riscos de entupir uma veia ou uma artéria do paciente.
"Ao se formar na cabeça, um trombo pode gerar um derrame cerebral, enquanto no coração pode levar a um ataque cardíaco", disse Ferrara.
Com a velocimetria de imagens de partículas, todas as características que levam a formação de um trombo podem ser identificadas com antecedência.
"Podemos otimizar toda a estrutura do escoamento sanguíneo do paciente para minimizar a formação de trombos, que ocorre em regiões de estagnação sangüínea", conta o pesquisador.
"Essa seria apenas uma das possíveis aplicações da técnica, que também pode ser usada em válvulas cardíacas e outros tipos de ventrículos artificiais, inclusive o de adulto, que já está em operação no Incor. Teoricamente, o sistema pode ser usado em qualquer dispositivo que tenha fluxo sangüíneo", explica.
A tese de doutorado de Eduardo Ferrara, que teve bolsa da Fapesp, foi orientada por Idágene Cestari e Adolpho Leirner, ambos do CTB/Incor, Kenneth Christensen, da Universidade do Sul da Flórida, e Mikya Muramatsu, do Instituto de Física da USP.