Notícia

DCI online

Floresta de eucaliptos altera clima

Publicado em 10 abril 2015

São José dos Campos - A troca de vegetação nativa nas áreas dos contrafortes das serras do Mar e da Mantiqueira, no Vale do Paraíba, por florestas de eucalipto desequilibra o volume de chuvas nas regiões montanhosas e amplia risco de deslizamentos no período do verão.

A constatação foi feita em estudo de doutorado da pesquisadora Viviane Regina Algarve, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), de São José dos Campos. A pesquisa faz parte do projeto temático "Assessment of impacts and vulnerability to climate change in Brazil and strategies for adaptation option" (Avaliação de impactos e vulnerabilidade ante as mudanças climáticas no Brasil e estratégias para uma opção de adaptação, em tradução livre), feito pelo Inpe com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) que constatou que as elevações pluviométricas acontecem nas partes mais altas da cadeia de montanhas, onde há a cobertura vegetal natural, a mata atlântica de altitude.

"Observamos que a mudança da vegetação natural por eucalipto nas encostas das serras do Mar e da Mantiqueira altera as trocas de energia entre a superfície e a atmosfera, modificando o padrão de circulação de vento entre o vale e a montanha e, em razão disso, o transporte de calor e umidade para o topo das serras", disse a pesquisadora do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) e orientadora do estudo, Regina Alvalá.

Segundo a cientista, o aumento da convergência de umidade sobre os topos das montanhas facilita a formação e alimentação de nuvens, nevoeiros e tempestades. A fim de avaliar os impactos da conversão de áreas de floresta para plantio de eucalipto ou para pastagem no regime de chuva das Serras do Mar e da Mantiqueira, os pesquisadores fizeram projeções usando o modelo climático regional com resolução espacial de 10 quilômetros, um software desenvolvido pelo Inpe.

As projeções do estudo indicaram que tanto a troca da vegetação natural por plantio de eucalipto ou para pastagens provocam o aumento no volume diário de chuvas no verão, principalmente sobre as áreas mais elevadas das regiões serranas, onde há mata nativa ainda em razoável estado de preservação.

"A análise dos dados do período entre 1941 e 2012 e as simulações com o modelo meteorológico ETA para 1981-1990 indicam que as mudanças no uso e cobertura da terra observadas nas Serras do Mar e da Mantiqueira causaram o aumento no volume de chuvas em algumas áreas dessas regiões", avaliou Alvalá.

Para a pesquisadora e doutora do Cemaden, esse tipo de diagnóstico da evolução da mudança de uso da terra e implicações climáticas são essenciais para orientar tomadores de decisão de órgãos governamentais e da Defesa Civil na identificação de áreas de risco.