Notícia

Jornal do Brasil

Físico comprova a vida eterna

Publicado em 13 janeiro 1996

"Uma trombeta soará e os mortos se erguerão", nos diz a Bíblia. E durante séculos alguns crentes levaram a profecia ao pé da letra. Até recentemente, a crença no reino dos céus era uma questão exclusiva de fé religiosa e não tinha corroboração dos papas da ciência moderna. Por isso, não é de se admirar que o físico Frank J. Tipler tenha gerado tanta celeuma com seu livro The Physics of Immortality (A física da imortalidade), que pretende demonstrar, com certeza matemática, que a antiga promessa da redenção da alma pode realmente ser cumprida. O subtítulo do livro de Tipler, Cosmologia moderna, Deus e a ressurreição dos mortos, é uma convergência ambiciosa de tradições religiosas e questionamento científico que, como o próprio autor admite, o espanta tanto quanto a seus leitores. "Quando comecei minha carreira como cosmologista, há 20 anos, era um ateu convicto", explica Tipler. "Nunca, em meus sonhos mais ousados, imaginei que um dia escreveria um livro para demonstrar que as afirmações fundamentais da teologia judaico-cristã são, de fato, verdadeiras. Muito menos que estas afirmações são deduções diretas das leis da física, como nós as entendemos atualmente. Fui levado a estas conclusões pela lógica inexorável de minha área específica da física", explica. Tipler é especializado no campo da relatividade geral global, um ramo da física criado no início da década de 70 pelos físicos Stephen Hawking e Roger Penrose, que desejavam investigar a estrutura do universo em larga escala. Em seu livro, Tipler cita uma quantidade impressionante de evidências extraídas da física de partículas e da teoria da relatividade para mostrar que as profecias bíblicas não são idéias de pessoas sonhadoras. Ao contrário, ele afirma que estes profetas eram visionários que, de alguma forma, descobriram as verdades mais profundas da existência. Elas seriam, segundo o físico convertido: que Deus existe, que ele ama a todos nós, e que ele um dia ressuscitará todos nós para a vida eterna. Na equação de Tipler, professor de física matemática da Universidade de Tulane, Deus é identificado como o Ponto Ômega, uma "singularidade cosmológica" no limite de todo o tempo futuro, análoga ao big bang que originou o universo e que está no limite de todo o tempo passado. A chave para essa teoria é a premissa de que a vida inteligente terá um papel decisivo na evolução do universo a fim de assegurar sua própria sobrevivência.