Notícia

Jornal de Valinhos

Figura mostra como seria o funcionamento do aparelho

Publicado em 06 agosto 2010

Pesquisa realizada no Laboratório de Óptica da Unicamp, coordenada pelo professor José Joaquín Lunazzi, obteve, em escala de protótipo, um televisor tridimensional (3D) que exibe imagens semelhantes às holográficas. Batizado como Holo TV, o modelo dispensa a utilização dos óculos especiais, proporcionando, dessa maneira, um conforto maior para o espectador.

Lunazzi assegurou que, mesmo tratando-se de um protótipo, não existe equipamento similar no mundo. O sistema baseia-se em imagens projetadas sobre telas praticamente transparentes, nas quais a falta de visão do suporte gera uma figura fantasma, iguais às imagens holográficas. Esta cena pode ser visualizada sem os óculos, de maneira natural, como em um holograma, garantiu o pesquisador.

Outro dado importante obtido com esse desenvolvimento está relacionado ao osicionamento do espectador diante da imagem. Em outros modelos apresentados por grandes fabricantes, há a exigência da permanência do telespectador em determinadas posições para que ele veja corretamente a imagem. Na Holo TV, a pessoa pode alternar sua posição sem perder a oção de tridimensionalidade. Lunazzi explicou que isso se deve à descoberta, realizada por ele em 1984, de um princípio óptico chamado de codificação-decodificação de profundidade por difração da luz.

Após voltar de uma exposição de holografia, na Alemanha, fiz essa descoberta e publiquei, em 1990, um artigo na revista Optical Engineering, porém, esse princípio nunca foi aplicado, contou.

O sistema é composto de uma tela de 30 por 60 centímetros, transparente, feita de filme fotográfico com sais de prata de alta resolução. Ao contrário das telas de projeções convencionais, cuja iluminação é feita pela frente ou por trás da tela, na Holo TV isso é feita de maneira oblíqua ao plano da tela. Para Lunazzi, isso é bastante importante para que o telespectador tenha a liberdade de movimento sem a perda da ilusão tridimensional das imagens.

Incentivo

A pesquisa de Lunazzi recebeu cerca de R$ 24 mil como apoio financeiro da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

A tecnologia já foi apresentada por ele em congressos realizados na Europa, Estados Unidos. China. Japão e Coréia do Sul, além de outros centros de pesquisa. Segundo Lunazzi, o momento atual é interessante para incentivar esse tipo de pesquisa ao redor do mundo e reforçar a imagem no exterior de que no Brasil são feitas pesquisas de ponta. No entanto, na sua visão, uma parceria com um grande fabricante mundial seria o ideal para viabilizar comercialmente a produção da Holo TV. Lunazzi revelou que, em 2008, ele recebeu a visita de pesquisadores de uma empresa coreana, interessados em conhecer a técnica de holografia por dupla difração de luz branca. Infelizmente não houve progresso nessas conversas, disse o coordenador. O sistema está permanentemente em exibição ao público por meio do evento Exposição de Holografia, no endereço http://www.ifi.unicamp.br/~lunazzi/expo.htm