Notícia

Jornal da Tarde

FHC doa terreno da Ceagesp à Fapesp

Publicado em 11 junho 2002

O cobiçado terreno de 700 mil m2 da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (Ceagesp), na Vila Leopoldina, zona oeste, será doado pela União à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). A área, entregue ao governo federal durante a gestão Mário Covas, para amortizar a dívida estadual, foi oferecida como um presente de aniversário à Fapesp, que completou 40 anos no dia 23 de maio. O presidente Fernando Henrique Cardoso, que foi bolsista da fundação nos anos 60, anunciou a doação no sábado, após um concerto de comemoração na Sala São Paulo, do Complexo Cultural Júlio Prestes. Mesmo para os dirigentes da fundação, foi uma espécie de presente surpresa. Não há prazo para a transferência e os detalhes ainda vão ser analisados por uma comissão do Ministério do Planejamento. "A única coisa certa é a decisão do presidente de transferir a posse do terreno para a Fapesp, com benefícios para todo o sistema de pesquisa e, em especial para a Universidade de São Paulo", disse o diretor científico da Fapesp, José Fernando Perez. Segundo ele, a USP é o endereço final de cerca de 45% dos investimentos em pesquisa da fundação. "O que beneficia a Fapesp, beneficia a USP." "E uma forma criativa e inovadora de financiar a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico, muito compatível com a forma de atuar da Fapesp", disse Perez. Formar um patrimônio rentável, segundo ele. é uma das doutrinas da fundação, que recebe mensalmente 1% de toda a arrecadação tributária do Estado. "Queremos apoiar iniciativas cada vez mais ousadas e isso requer um aumento da capacidade de financiamento." Na festa de aniversário, Fernando Henrique e o governador paulista, Geraldo Alckmin, destacaram a importância da Fapesp. Perez disse que é cedo para dizer como o gigantesco terreno será aproveitado, mas um museu de ciência e tecnologia estaria entre as alternativas. Seja qual for o uso, ele garante que o mercado imobiliário ficará satisfeito. "Queremos um projeto ousado. Será feito um estudo para aproveitar a área de forma criativa, com um projeto urbanístico inovador." Ele não soube dizer o valor do terreno. MERCADO VAI PARA A RAPOSO TAVARES O destino da Ceagesp vai determinar o futuro da Vila Leopoldina, bairro onde está há mais de 35 anos. Por ali circulam 60 mil pessoas por dia, movimentando um mercado de 10 mil toneladas de alimentos, no valor de R$ 5 milhões. Considerada obsoleta, a central será transferida, até o fim de 2003, para uma área perto do Rodoanel Mário Covas, entre a Rodovia Raposo Tavares e Régis Bittencourt.