Notícia

TN Sustentável

Fenômeno foi mais intenso em 2010

Publicado em 07 fevereiro 2011

Mehane Albuquerque, Redação TN

A seca que castigou a Amazônia em 2010 foi bem mais intensa que a de 2005. A conclusão é de um estudo feito pelos cientistas brasileiros Paulo Brando e Daniel Nepstead, do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, e colegas do Reino Unido, publicado hoje (4/2) na revista Science. Em 2005, a maior floresta tropical do mundo passou por uma estiagem severa, fenômeno considerado raro, dos que só costumam ocorrer a cada cem anos. Porém, cinco anos depois a região foi castigada por uma seca ainda mais forte. Os cientistas analisaram dados climáticos, pluviométricos e de perda de vegetação e descobriram que o volume de chuvas em 2010 foi menor e que menos carbono foi capturado.

Segundo eles, a Floresta Amazônica desempenha um papel importante no sequestro de carbono atmosférico. Em condições normais, ela sequestra cerca de 1,5 bilhão de toneladas de CO2 por ano. A morte das árvores resultante da seca de 2005 alterou esse mecanismo e ainda liberou nos anos seguintes cerca de cinco bilhões de toneladas de dióxido de carbono na atmosfera. Esse valor é quase toda a emissão de CO2 pelo uso de combustíveis fósseis nos Estados Unidos em 2009.

Na seca de 2010, os cientistas estimam que muito mais carbono foi lançado na atmosfera e mais de cinco bilhões de toneladas ainda serão gerados pela vegetação morta. Eles ressaltam que a seca de 2005 pode ter instensificado a gravidade da estiagem cinco anos depois e que Os resultados da pesquisa indicam que a repetição do fenômeno poderá ter impacto importante no ciclo global de carbono e, por consequência, no clima terrestre.

``Se tais secas intensas se tornarem frequentes, os dias da Amazônia como equilibrador natural das emissões de carbono promovidas pelo homem podem estar ameaçados``, apontam os autores.

O artigo The 2010 Amazon Drought (doi:10.1126/science.1200807), de Simon Lewis e outros, pode ser lido por assinantes da Science em www.sciencemag.org.

*Com informações da Agência Fapesp