Notícia

Planeta Universitário

FAPESP Week começa em Washington

Publicado em 25 outubro 2011

O simpósio internacional FAPESP Week foi aberto na manhã desta segunda-feira (24/10) em Washington, no auditório principal do Woodrow Wilson Center, com a presença do embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Mauro Vieira, do vice-presidente do Wilson Center, Michael van Dusen, da diretora-adjunta da National Science Foundation, Cora Marrett, do professor Daniel Janies, da Faculdade de Medicina da Ohio State University, além do presidente da FAPESP, Celso Lafer.

Até o dia 26, cientistas brasileiros financiados pela FAPESP e colegas seus dos Estados Unidos farão uma revisão da produção recente no Brasil em 11 áreas do conhecimento e os seus desafios para os próximos anos. O evento faz parte das comemorações do cinquentenário da FAPESP.

No seu discurso de boas-vindas, Van Dusen mencionou que um dos primeiros estudos sobre a história da ciência no Brasil foi produzido no Wilson Center, 33 anos atrás, por Simon Schwatzman, que escreveu “A Space for Science – The Development of the Scientific Community in Brazil” quando era bolsista na instituição.

O Wilson Center é um “memorial vivo” em homenagem ao vigésimo-oitavo presidente dos Estados Unidos (de 1913 a 1921), onde intelectuais de diversos países do mundo pesquisam e debatem temas de políticas públicas e de conhecimento em vários campos. Em 2006, foi estabelecido no Wilson Center o Brazil Institute, que se dedica especificamente a assuntos relacionados com o Brasil, dirigido pelo jornalista Paulo Sotero.

Van Dusen, que representou Jane Harman a presidente do Wilson Center (que está na Tunísia como integrante do comitê internacional de observação das eleições naquele país), destacou em seu discurso a condição dupla de “pensador e realizador” do presidente da FAPESP, Celso Lafer, semelhante à de Woodrow Wilson, único presidente dos EUA que tinha um título de Doutor (em história e ciência política pela Johns Hopkins University).

O embaixador brasileiro em Washington, Mauro Vieira, destacou em seu discurso a crescente cooperação em educação e ciência entre Estados Unidos e Brasil e afirmou que a história de sucesso da FAPESP serve como incentivo para que se continue investindo mais em pesquisa no país.

Celso Lafer fez uma breve descrição do que é e como opera a FAPESP e ressaltou que uma de suas prioridades atuais é a internacionalização de suas atividades, como a própria realização do simpósio demonstra: “Estamos cientes de que o conhecimento é internacional no escopo e na ação neste mundo globalizado e que ele só pode se desenvolver bem com a ampliação dos contatos entre cientistas de diversas nações”.

A diretora-adjunta da National Science Foundation, Cora Marrett, seguiu nessa linha de pensamento ao afirmar que “a ciência não conhece fronteiras nacionais”, destacou programas de cooperação já existentes entre a NSF e a FAPESP (especialmente nas áreas de química e biodiversidade) e expressou seu desejo de que essa cooperação se amplie.

Finalmente, Daniel Jamies, da Faculdade de Medicina da Ohio State University, que foi um dos coordenadores do programa da FAPESP Week, deu exemplos práticos de sua área de atuação em pesquisa de como a colaboração internacional na ciência é fundamental para se chegar a conclusões práticas e eficientes diante da sempre crescente quantidade de dados sobre doenças infecciosas.

A FAPESP Week recebeu 131 inscrições de pessoas que participarão dos seus trabalhos, além dos 58 conferencistas e organizadores. No final da tarde desta segunda-feira, será inaugurada a exposição Natureza Brasileira – Mistério e Destino, com gravuras feitas durante a expedição liderada por Carl Friedrich von Martius entre 1817 e 1820.

Ela ficará aberta ao público no Wilson Center até 30 de novembro e em 2012 percorrerá diversas cidades dos Estados Unidos em programação elaborada pelo Brazil Institute do Wilson Center e várias universidades americanas, que a hospedarão.

Agência FAPESP