Notícia

Correio Popular

Fapesp quer estreitar vínculos entre produção científica e jornalismo

Publicado em 07 dezembro 1999

Por FRANCISCO BELDA - ESPECIAL PARA O CORREIO
Estreitar os vínculos entre a produção do conhecimento científico e sua divulgação jornalística investindo em parcerias com empresas de comunicação e apostando na criação de novos cursos de especialização na área. É com este objetivo que a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) criou um programa especial de bolsas de estudo que, desde outubro -quando foi lançado -, vem despertando o interesse de estudantes, instituições, jornalistas e pesquisadores de Campinas. O "Programa José Reis de Incentivo ao Jornalismo Científico" foi tema de uma palestra realizada ontem pelo diretor-científico da instituição, José Fernando Perez, na Faculdade de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). De acordo com Perez, o projeto é uma iniciativa destinada a fomentar a especialização de profissionais da mídia como efetivos mediadores entre o universo acadêmico e a sociedade. "Não estamos pensando apenas na criação de um produto específico, mas na formação de uma geração de competência em jornalismo científico", disse, se referindo à projeção de pesquisas acadêmicas nos meios de comunicação. BOLSAS O programa de bolsas criado pela Fapesp vai atender estudantes de graduação, pós-graduação e profissionais que estejam matriculados em cursos de iniciação em jornalismo científico e que não tenham vínculo empregatício com empresas de comunicação ou instituições de pesquisa. Para ter acesso ao programa, os candidatos deverão atender ainda a uma grade curricular mínima a ser desenvolvida e aplicada por meio dos cursos de especialização na área. "O grande desafio agora é fazer com que as instituições se movam para criar estes cursos de aperfeiçoamento", expôs o diretor da Fapesp. Ele citou o Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor), da Unicamp, como um curso modelo para o desenvolvimento dos projetos e revelou a expectativa de que o programa de bolsas funcione como estímulo para a multiplicação desses centros. O coordenador do Labjor, Carlos Vogt, que participou do evento, revelou já haver um movimento levando outras universidades da região a criarem centros de estudos em jornalismo científico. Vogt também reiterou a responsabilidade da mídia' no acompanhamento e na difusão dos avanços registrados no campo científico. "A imprensa deve ser o instrumento mediador entre o conhecimento científico e tecnológico e a visão e a compreensão da sociedade diante deste conhecimento."