Notícia

DCI online

Fapesp promove em Londres debate sobre cooperação científica

Publicado em 26 setembro 2013

são paulo - Segundo a agência Fapesp, um panorama da pesquisa brasileira, incluindo avanços na ciência e no desenvolvimento de novas tecnologias obtidos nos últimos anos por pesquisadores do Brasil e da Europa, poderá ser visto durante a Fapesp Week London, que ocorre até o dia 27 de setembro na capital do Reino Unido.

Realizado pela Fapesp, com apoio do British Council e da Royal Society, o simpósio vai mostrar resultados de pesquisas conduzidas em diversas instituições de ensino superior e de pesquisa de São Paulo.

Temas como Biodiversidade, Genômica, Mudanças Climáticas, Biocombustíveis, Nanotecnologia e Cultura Científica serão objeto de exposições e discussões.

O simpósio ainda terá painéis sobre colaboração científica internacional e mudanças e oportunidades na pesquisa colaborativa universidade-indústria.

Momento oportuno

A Fapesp Week London ocorre em um momento em que a pesquisa científica brasileira atinge seu mais alto patamar de projeção internacional, com índices que demonstram a crescente participação do país no sistema global de ciência e tecnologia.

Para o presidente da Fapesp, Celso Lafer, a Fundação está se inserindo nos círculos internacionais de apoio à pesquisa, encorajando pesquisadores europeus a estreitar seus vínculos com as universidades brasileiras, que oferecem boas oportunidades de pesquisa. "O Brasil está consolidando seu status e evoluindo para uma das principais economias do mundo baseadas no conhecimento. Por isso, estamos abertos a fazer parcerias de pesquisa com instituições europeias que realizam pesquisa", diz.

A Fapesp já mantém acordos bilaterais com todos os sete Conselhos de Pesquisa do Reino Unido, incluindo o British Council, além de acordos de cooperação para a pesquisa com 13 universidades britânicas.

Para Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, o objetivo é mostrar São Paulo como um centro global de alto impacto em ciência multidisciplinar. "Buscamos atrair pesquisadores e professores visitantes de qualidade mundial. Nossas universidades estão em ascensão nos rankings mundiais, com um grande aumento na qualidade e quantidade de publicações impactantes de autoria de cientistas brasileiros."

Agências