Notícia

Esteta

FAPESP oferece apoio para organização de cursos em pesquisa avançada

Publicado em 17 junho 2016

Por Diego Freire, da Agência FAPESP

A FAPESP recebeu, na quarta-feira (15/06), pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento interessados em solicitar apoio para a realização de cursos de curta duração em pesquisa avançada no Estado de São Paulo.

O objetivo foi informar sobre os recursos disponíveis na modalidade de apoio Escola São Paulo de Ciência Avançada (ESPCA) e orientar para a formulação de propostas, que podem ser submetidas até o próximo dia 16 de setembro. Os cursos selecionados na chamada vigente deverão ser realizados entre março e dezembro de 2017.

“A comunidade acadêmica que realiza ciência de ponta é o público-alvo da chamada. A ideia é que esses pesquisadores, que lideram iniciativas científicas que estão atravessando as fronteiras do conhecimento, reúnam nessas escolas estudantes de diferentes procedências para mostrar ao mundo o potencial brasileiro e também trazer novas e valorosas colaborações internacionais para a ciência feita no Estado de São Paulo”, destacou Roberto Marcondes César Junior, da Coordenação Adjunta de Ciências Exatas e Engenharias da FAPESP.

O pesquisador compartilhou com os presentes a experiência de realizar, com o apoio da FAPESP, a São Paulo School of Advanced Science on e-Science for Bioenergy Research (SPSAS e-SciBioenergy), em 2012, no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

“Foi uma experiência de profundo aprendizado não só para os estudantes, mas para todos os envolvidos. O caráter de escola confere ao curso uma abrangência que vai dos conhecimentos básicos relacionados aos temas abordados até a ciência de ponta e o que há de mais avançado na área. Essa abrangência e as oportunidades de aprendizado oferecidas ao longo da programação são importantes para o sucesso da empreitada”, disse.

Além de contribuir para a formação dos participantes e o avanço do conhecimento científico nas áreas abordadas, os cursos realizados devem gerar oportunidades para que a participação da comunidade científica internacional nas instituições de pesquisa no Estado de São Paulo seja fortalecida.

“Essa interação é importante para que a ciência produzida em São Paulo, já reconhecida internacionalmente, seja ainda mais amplamente difundida e possa se beneficiar de novas colaborações. Uma ESPCA tem entre seus objetivos primordiais a divulgação da boa ciência feita no estado; dessa forma, pesquisadores que pretendam organizar uma escola precisam ter muito claro o que seu grupo está gerando de novidade em nível internacional que mereça ser mostrado e explorado”, disse Regina Lúcia Batista da Costa de Oliveira, gerente da Diretoria Científica da FAPESP.

Dessa forma, serão priorizadas as propostas que possibilitem a participação intensa de estudantes visitantes, sendo que pelo menos 50% dos participantes venham de outros países.

A proposta deve especificar o número de estudantes brasileiros e estrangeiros previstos para participar da ESPCA e a seleção dos participantes deverá ser realizada por uma comissão organizadora, presidida pelo pesquisador responsável pelo curso.

Também foi recomendado que o conjunto de palestrantes e professores escalados para a programação reflita um bom equilíbrio entre estrangeiros e brasileiros e que sejam incluídos pesquisadores de alta visibilidade internacional, evidenciada por publicações de impacto reconhecido pela comunidade da área, pela liderança em organizações de destaque global ou premiações, entre outros fatores.

Entre os itens financiáveis pela ESPCA estão benefícios aos estudantes selecionados, como passagens aéreas, despesas de transporte terrestre local e diárias, e recursos para a organização do curso, como passagens e diárias para os professores e pesquisadores convidados e insumos e materiais justificadamente necessários para as aulas.

Também são cobertos os custos para a publicação de anúncios sobre o curso em revistas científicas de circulação internacional relevantes na área do conhecimento dos temas selecionados, entre outros especificados na chamada.

A instituição sede da ESPCA precisa se comprometer com algumas contrapartidas, como a disponibilização de uma secretaria executiva, incluindo pessoal de apoio às atividades de organização e durante o evento, e o custeio de despesas de correspondência, entre outras.

O pesquisador responsável pela proposta, que será o coordenador do curso e presidirá a comissão de seleção dos estudantes e de palestrantes, precisa ser vinculado a instituição de ensino superior e pesquisa no Estado de São Paulo. Espera-se que ele e seus colaboradores participem ativamente de todas as discussões científicas resultantes dos minicursos, palestras e apresentações de pôsteres ao longo de todo o período da ESPCA.

Mais informações sobre os pré-requisitos para a submissão de propostas e a chamada em aberto estão disponíveis em espca.fapesp.br/detalhe/chamada/12.