Notícia

O Jornal (Rio Claro) online

FAPESP expõe na Espanha um panorama da ciência feita no Brasil e promove discussões sobre pesquisas apoiadas pela Fundação

Publicado em 22 novembro 2012

A fim de estreitar a relação existente entre pesquisadores brasileiros e espanhóis, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) vai realizar, entre os dias 10 e 14 de dezembro de 2012, uma série de conferências com pesquisadores dos dois países para discutir os avanços obtidos nos últimos anos nas áreas de ciências da saúde, ciências políticas e humanas, nanotecnologia, ciência dos materiais e fotônica.

As discussões farão parte do Fronteras de la Ciencia - Brasil y Espanha en los 50 años de la FAPESP, evento que integra as comemorações dos 50 anos da Fundação e reunirá, nas cidades de Salamanca e Madri, pesquisadores do estado de São Paulo e de diferentes instituições de ensino e pesquisa do país ibérico, em uma programação intensa, diversificada e aberta ao público.

Nos dias 10, 11 e 12 de dezembro, em parceria com a Universidade de Salamanca (USAL), acontece a série de conferências Fronteras de la Ciencia en Brasil y España - 50 años de la FAPESP em la USAL. A abertura do evento ficará a cargo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que falará como estadista, mas também como sociólogo, autor ou coautor de mais de 23 livros, 116 artigos científicos e vencedor do prêmio Kluge, uma distinção a acadêmicos das áreas de ciências humanas e sociais.

No primeiro dia da sessão de palestras serão expostos trabalhos desenvolvidos por pesquisadores dos dois países na área das ciências humanas, com destaque para as pesquisas em ciências políticas e políticas públicas, além de um panorama da colaboração institucional entre Brasil e Espanha. O segundo dia do evento estará reservado para as apresentações de pesquisadores da área da saúde, com palestras que abordarão, sobretudo, as pesquisas nas áreas de genômica do câncer. O campo da nanotecnologia será o destaque do terceiro dia do evento, com palestras sobre pesquisas em ciência dos materiais e fotônica, com ênfase em nanocarbono, nanoeletrônica e fontes de luz. Como parte da programação, a Universidade de Salamanca receberá a mostra La Naturaleza Brasileña, dedicada à divulgação da biodiversidade brasileira e que permanecerá aberta ao público no Centro de Estudos Brasileiros da USAL de 9 a 21 de dezembro de 2012.

Estudantes espanhóis que desejem receber certificado acadêmico devem fazer sua inscrição diretamente no site do evento na USAL: www.fronterasdelaciencia.es

Nos dias 13 e 14 haverá uma reedição do evento na Casa do Brasil, em Madri, também com palestras e exposição. A abertura do encontro na Capital espanhola será feita por Carmen Vela Olmo, secretária de estado de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação do Ministério de Economia e Competitividade da Espanha, que falará sobre a ciência em seu país e as perspectivas de relações científicas com o Brasil. A exposição La Naturaleza Brasileña poderá ser vista em Madri na Casa do Brasil, do dia 13 de dezembro ao dia 31 de janeiro de 2013.

A programação completa dos eventos nas duas cidades pode ser conferida no endereçohttp://www.fapesp.br/fronteras/. A participação é aberta ao público, mediante inscrição.

Biodiversidade brasileira

A exposição La Naturaleza Brasileña é resultado de uma parceria entre a FAPESP e o Museu Botânico de Berlim, e mostra o trabalho de documentação feito pelo naturalista alemão Carl Friedrich Philipp von Martius (1794-1868), reunido na obra Flora brasiliensis, que 171 anos depois da publicação de seu primeiro volume permanece como o mais completo levantamento da flora brasileira.

O trabalho do naturalista deu origem também ao projeto Flora Brasiliensis On-line e Revisitada, que inclui a atualização da nomenclatura utilizada no trabalho original de Martius e a inclusão de espécies descritas depois de sua publicação, com novas informações e ilustrações recentes. A exposição apresenta também uma comparação das imagens produzidas no século 19 com fotografias atuais de plantas e biomas, além de retratar alguns dos resultados de pesquisas realizadas no âmbito do projetoFlora fanerogâmica do Estado de São Paulo e do programa BIOTA-FAPESP, que reúne pesquisas sobre caracterização, conservação, recuperação e uso da biodiversidade do Estado de São Paulo.

Concebida com base nos dados provenientes desses três projetos, todos apoiados pela FAPESP, a exposição é composta por 37 painéis, com reproduções de imagens e ilustrações e textos explicativos. Amostra que chega agora à Espanha já foi vista em Berlim, Bremen, Leipizig, Heidelberg e Eichstätt (Alemanha), Toronto (Canadá), Washington, Cambridge e Morgantown (Estados Unidos). Os painéis digitalizados da exposição podem ser vistos com legendas em português, inglês, alemão e espanhol no endereço: http://www.fapesp.br/publicacoes/braziliannature/

Cooperação científica

Desde novembro de 2011, a FAPESP mantém um acordo de cooperação com a Universidade de Salamanca, a fim de apoiar projetos de pesquisa desenvolvidos em conjunto por pesquisadores da mais antiga universidade espanhola com seus pares no estado de São Paulo, envolvendo intercâmbio de professores e alunos, em todas as áreas do conhecimento. Além de celebrar o primeiro ano do acordo, o encontro também integra as comemorações dos 50 anos da Fundação e faz parte da série de eventos que culminará com a celebração dos 800 anos da Universidade de Salamanca, a serem completados em 2018.

Para Celso Lafer, presidente da FAPESP, a Fundação considera importante incluir a Espanha em seu processo de internacionalização, tendo em vista o investimento realizado pelo país ibérico em pesquisa e desenvolvimento, compatível com o que faz o estado de São Paulo nesta área. "Para a Espanha, São Paulo também é um parceiro importante na produção do conhecimento, considerando que o estado produz 50% da ciência brasileira. Do ponto de vista diplomático, os valores da ciência são compartilhados, unem e aproximam a sociedade. Por isso, queremos estreitar os laços e contatos com instituições espanholas, à luz do significado do permanente diálogo transatlântico ibero-americano", diz.

De acordo com Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fundação, o momento é propício para aumentar a cooperação entre pesquisadores dos dois países. "Com os eventos na Espanha, a FAPESP busca criar visibilidade para a boa ciência que se faz em São Paulo, criando oportunidades para colaborações científicas entre pesquisadores brasileiros e seus colegas espanhóis. Como ocorre no estado de São Paulo, a Espanha tem uma forte base científica, forma excelentes pesquisadores, e tem instituições competitivas mundialmente".

Sobre a FAPESP

Criada em 1962, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) está entre as mais importantes agências de fomento à Ciência e Tecnologia do Brasil. Mantida pela transferência de 1% das receitas tributárias do Estado de São Paulo, a Fundação atua diretamente com a comunidade científica paulista em todas as áreas do conhecimento, apoiando propostas de pesquisa selecionadas com base na revisão pelos pares (peer review), metodologia que utiliza pareceres emitidos por pesquisadores brasileiros e estrangeiros como base para decisões sobre o financiamento de projetos.

Em 2011, o dispêndio da FAPESP foi de US$ 554 milhões para o apoio a projetos de pesquisa. Aproximadamente um terço do desembolso anual da Fundação é destinado para a formação de pesquisadores por meio de bolsas. Mais de 50% são aplicados na pesquisa acadêmica, e 10% são investidos em pesquisas voltadas para a aplicação, em pequenas empresas ou em parcerias entre universidade e empresas, também para subsidiar a formulação de políticas públicas.

Ao longo de seus 50 anos, a FAPESP concedeu aproximadamente 105 mil bolsas de pesquisa - da graduação ao pós-doutorado - e mais de 96 mil auxílios para pesquisadores do estado de São Paulo. O apoio é dado a pesquisas em todas as áreas das ciências, bem como tecnologia, engenharia, artes e humanidades. A FAPESP também apoia pesquisas em áreas consideradas estratégicas para o Brasil, por meio de programas em grandes temas, como biodiversidade, mudanças climáticas e bioenergia. Para saber mais, acesse www.fapesp.br