Notícia

Revista Eletricidade Moderna

Fapesp e Shell investem em Centro de Pesquisas

Publicado em 01 agosto 2017

A Fapesp - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo e a Shell vão financiar um centro de pesquisa em novas energias, que vai abranger quatro áreas: transporte de alta densidade de energia, armazenamento avançado de energia, conversão de metano em produtos e ciência computacional de materiais. O projeto visa realizar pesquisas que poderão viabilizar novas oportunidades de negócio.

A previsão é de que nos primeiros cinco anos sejam investidos R$ 16,7 milhões pelas parceiras. Conforme divulgado em nota pela Fapesp, cada área de pesquisa poderá ser sediada em uma instituição ou universidade diferente. Também existe a possibilidade de uma instituição anfitriã abrigar mais de uma linha de pesquisa. Uma das instituições anfitriãs será nomeada pela Fapesp e pela Shell para assumir o papel de hub, que, além de operar sua área de pesquisa, vai ser sede do comitê executivo, responsável pela direção do Centro, e ainda coordenar as atividades de todas as linhas de pesquisa.

Essa instituição-sede, que será selecionada na chamada de propostas (encerrada em junho, com divulgação do resultado em 1º de setembro), participará com contrapartida econômica na forma de salários de pesquisadores e pessoal de apoio, infraestrutura e instalações. Na área de transportadores de alta densidade, a intenção do centro é desenvolver rotas com custos viáveis para sintetizar moléculas, como hidrogênio, metanol, hidrocarbonetos e amônia a partir de água, nitrôgenio e dióxido de carbono.

Já a divisão de armazenamento avançado de energia vai financiar pesquisas de baterias com eletrodos baseados em intercalação e conversão, eletrólitos de vários tipos e outros dispositivos de armazenamento, incluindo baterias de fluxo e supercondensadores. Na área de conversão de metano em produtos, será estimulada a busca por novas vias de conversão do gás em produtos químicos de grande valor comercial, como metanol, acetileno e etileno. Por fim, a divisão de ciência computacional pretende avançar nas pes quisas de fontes de energias renováveis e neutras em carbono a partir da exploração de ferramentas, novos métodos e técnicas computacionais.

Para a Shell, a parceria com a Fapesp representa uma oportunidade de aumentar sua interação com a comunidade científica do Estado de São Paulo e ampliar seus esforços em pesquisas em novas energias. No mundo, a empresa colabora com universidades e instituições de pesquisa nos Estados Unidos, Reino Unido, Holanda, Índia e China. Em 2016, a companhia lançou sua área de energias renováveis e, desde então, tem realizado uma série de investimentos em biocombustíveis de primeira e segunda geração, hidrogênio, energia solar e eólica.