Notícia

Jornal do Brasil online

Fapesp e Reino Unido intensificam cooperação científica

Publicado em 27 setembro 2012

A Fapesp renovou nesta quarta-feira (26/09) o acordo de cooperação com os Conselhos de Pesquisa do Reino Unido (RCUK, na sigla em inglês), mantido desde 2009. A Fundação também firmou um acordo com a Universidade de East Anglia, de Norwich (Inglaterra), e estendeu o acordo existente com o Economic and Social Research Council (ESRC), que passará a incluir colaboração com pesquisadores em nível de pós-doutorado.

A assinatura dos acordos foi realizada durante o seminário “Parcerias científicas Brasil-Reino Unido: Oportunidades de financiamento para pesquisas e inovação”, cuja programação incluiu um debate entre os reitores de oito universidades britânicas, com o objetivo de discutir o atual momento de cooperação entre os dois países.

Durante o encontro, além do anúncio dos acordos entre as instituições brasileiras e britânicas e do debate entre os reitores, foi anunciado o resultado da chamada de propostas de pesquisa conjunta com a Universidade de York.

Participaram da abertura do seminário Eduardo Moacyr Krieger, vice-presidente da FAPESP, Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fundação, David Willetts, ministro britânico para a Ciência e Educação Superior, Alan Charlton, embaixador do Reino Unido no Brasil, e Paul Boyle, líder internacional dos RCUK.

De acordo com Boyle, a renovação do acordo envolve todos os sete conselhos de pesquisa britânicos e busca aumentar a aproximação existente entre cientistas dos dois países ao apoiar a realização de projetos em todas as áreas de conhecimento.

“Os resultados foram muito bons e decidimos prolongar o acordo pelo menos até 2015. Até agora tivemos muito interesse de pesquisadores, particularmente em áreas como biologia e meio ambiente. Desta vez acreditamos que o número de colaborações aumentará em uma área com muita demanda, que é a de ciências médicas. Tivemos também apoios a projetos em áreas como bioquímica, geociências, fisiologia, genética e morfologia”, disse Boyle.

O acordo com os RCUK já lançou chamadas da Fapesp em conjunto com os conselhos de Artes e Humanidades (AHRC), de Biologia e Biotecnologia (BBSRC), de Pesquisas Econômicas e Sociais (ESRC) e com o Natural Environment Research Council (NERC).

“O modelo do acordo foi muito inovador, por possibilitar que cientistas de instituições do Estado de São Paulo e do Reino Unido submetam propostas de pesquisas conjuntas por meio de um processo unificado de análise e decisão. Os RCUK recebem e avaliam as propostas de pesquisa colaborativa das instituições elegíveis. Os pareceristas nomeados pela Fapesp participam de todo o processo de revisão por pares e da tomada de decisão”, explicou Boyle.

Todas as pesquisas contempladas na primeira chamada do acordo Fapesp/RCUK continuam em vigor. Encontram-se atualmente em análise projetos apresentados em uma segunda chamada com o NERC nas áreas de Processos da Biodiversidade e de Ecossistemas em Florestas Tropicais Modificadas pelo Homem.

Fonte: Agência Fapesp