Notícia

Yahoo!

FAPESP e Microsoft disponibilizam R$1 milhão para financiar pesquisas de TI e Comunicações

Publicado em 11 agosto 2010

Dia 8 de setembro se encerra o recebimento de propostas para o programa de pesquisa da Microsoft e FAPESP, que deve distribuir R$1 milhão em fundos para a pesquisa em tecnologia de informação e comunicações ( TIC ). Podem participar pesquisadores de instituições públicas e privadas sem fins lucrativos. Por se tratar de um projeto da FAPESP , o programa é limitado a instituições do estado de São Paulo.

O programa é voltado ao processamento de grandes volumes de informação. Assim, são privilegiadas as pesquisas com aplicações em algumas áreas específicas: análise climática; saúde e ecologia; geração e transmissão de energia; e bancos de dados de larga escala. O número de projetos escolhidos e o valor do financiamento de cada um pode variar, mas a previsão é que cerca de cinco propostas sejam contempladas com financiamento entre R$100 mil e R$300 mil.

Uma das clásulas da iniciativa diz que o pesquisador tem que "evidenciar empenho" em tornar os resultados de domínio público, incluindo a divulgação total do código-fonte de qualquer software que tenha sido decorrência da pesquisa. Porém, a mesma cláusula restringe o uso de algumas licenças livres de software, ao dizer que não podem haver condições para redistribuir o software que foi produzido ao longo da pesquisa. Isso permitiria que qualquer empresa (incluindo a própria Microsoft) possa se apropriar de qualquer solução ou software gerado pelos pesquisadores sem pagar royalties a ninguém e criar produtos comerciais de código fechado baseado neles.

A restrição das licenças usáveis afeta diretamente as consideradas livres como a popular GPL , usada pelo Linux e programas como GnuRadio e GIMP , que só permite redistribuição se o produto final (e todos os subsequentes, sem exceção) também tiver código aberto.

Porém, outra licença de software livre, a BSD , é sugerida. A licença BSD (Berkeley Software Distribution) e suas derivadas (como a Apple Public Source Licence e a Microsoft Public Licence) permitem que se aproveite o código-fonte de um software anterior sem precisar repassá-lo com o novo programa gerado a partir dele. Por exemplo, a BSD é a licença do Webkit, programa aberto que é a base do navegador de código fechado Safari.

Interessados podem encontrar mais informações no site da FAPESP (fapesp.br/materia/5759).