Notícia

Meon

Fapesp e Inpe firmam acordo para pesquisa em tecnologias aeroespaciais

Publicado em 08 setembro 2015

A Fapesp (Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado de São Paulo) e o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), de São José dos Campos, assinaram na última terla-feira (1), um acordo de cooperação para pesquisa em tecnologias aeroespaciais. O pacto terá duração de cinco anos e as áreas contempladas para receber propostas de pesquisa serão definidas em breve.

Voltado a empresas sediadas no estado, o objetivo do acordo é apoiar projetos cooperativos de pesquisa que levem ao desenvolvimento de novas tecnologias, sistemas e equipamentos, com base em temas estabelecidos conjuntamente pelas duas instituições.

Os projetos cooperativos deverão ser desenvolvidos por pesquisadores associados a pequenas empresas. O financiamento dos projetos será administrado pela Fapesp junto aos pesquisadores responsáveis, incluindo o acompanhamento de relatórios de resultados. A propriedade intelectual resultante dos projetos será regida pelas normas do Programa Fapesp Pipe (Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas).

O Inpe participa, juntamente com a Fapesp, da especificação de áreas temáticas apropriadas para pesquisa, cooperando com a Fundação na divulgação de chamadas de propostas do Programa Fapesp Pipe (Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas) associadas a este acordo, bem como da seleção de propostas de pesquisa a serem financiadas e da avaliação dos projetos.

De acordo com Celso Lafer, presidente da Fapesp, a cooperação com o Inpe proporcionará a realização de pesquisas na fronteira do conhecimento no setor aeroespacial, considerado estratégico para o desenvolvimento e a segurança do país.

“Uma característica importante dessas pesquisas é que terão uma forte ligação com o setor produtivo, o que deve ajudar a dar impulso a uma atividade de vital importância para o avanço do conhecimento também neste segmento”, disse Lafer.

Para Leonel Perondi, diretor do Inpe, as pesquisas poderão ajudar o Brasil a ganhar espaço também na indústria espacial. “Nos próximos 20 anos essa será uma indústria muito forte, tanto quanto a aeroespacial hoje, e o Brasil pode se beneficiar disso”, comentou.

O diretor do Inpe lembrou ainda da importância da colaboração para a pesquisa e o incremento de sistemas e equipamentos, citando a parceria sino-brasileira, iniciada em 1988 e que resultou no projeto Cbers (China-Brazil Earth Resources Satellite), de desenvolvimento e lançamento de satélites.