Notícia

Abifina - Associação Brasileira das Indústrias de Química Fina,Biotecnologia e suas especialidades

FAPESP e Biolab investem R$ 5 milhões para apoiar pesquisas em oncologia, doenças degenerativas e do coração, diabetes e outras enfermidades

Publicado em 01 março 2011

Cientistas de São Paulo podem apresentar, até 10 de junho, projetos com potencial para aumentar o conhecimento aplicável na prevenção e no tratamento de doenças crônicas ou degenerativas e também de alta incidência. É uma parceria inédita entre a Fundação e a Biolab.

 

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e a Biolab Farmacêutica - 4o maior laboratório nacional - publicam, em 1º de março de 2011, Chamada de Proposta para apresentação de projetos de pesquisas, com o objetivo de gerar resultados aplicáveis no desenvolvimento de medicamentos inovadores e fomentar a pesquisa científica brasileira. O investimento total previsto é de R$ 5 milhões, divididos igualmente entre as partes por três anos, e as propostas devem ser apresentadas até 10 de junho, com divulgação dos selecionados em 10 de outubro de 2011. Esta é a primeira vez que a Fapesp lança chamada pública para pesquisas em parceria com uma indústria farmacêutica, na área de saúde humana.

O Acordo de Cooperação apoiará pesquisas em oncologia - sobre tumores de difícil tratamento ou para os quais não existam medicamentos -, doenças degenerativas imunomoduladas e do sistema nervoso central, disfunções hormonais, diabetes e doenças provocadas por fungos, bactérias, protozoários ou vírus. Também poderão ser financiadas pesquisas sobre distúrbios cardiovasculares, processos inflamatórios envolvidos em diferentes patologias, princípios ativos moduladores da pigmentação da pele e distúrbios gastrointestinais.

"A FAPESP investe na intensificação das colaborações em pesquisa entre universidades ou institutos de pesquisa e empresas buscando com isso benefícios para a pesquisa no Estado de São Paulo. Não somente em termos de recursos adicionais aplicados pelas empresas parceiras da FAPESP, mas especialmente porque os desafios temáticos trazidos nas chamadas públicas estimulam a comunidade científica e os projetos selecionados trazem significativa contribuição ao avanço do conhecimento, à inovação e à formação de recursos humanos. A Biolab tem uma tradição em P&D na área farmacêutica e sabe valorizar a excelência em pesquisa existente nas instituições no Estado de São Paulo", diz Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP.

A Biolab, que apenas em 2010 investiu mais de R$ 43 milhões em pesquisa, desenvolvimento e inovação mantém alto índice de investimento em PD&I do setor no Brasil: 7% do faturamento total.

"Esta recente parceria com a FAPESP é motivo de grandes expectativas para a Biolab. Muito se fala em investimentos em ciência e tecnologia no Brasil, mas as ações concretas nessa direção ainda são pequenas. Os laboratórios nacionais já chegaram a representar 48% do mercado, mas hoje a tendência é retornar aos 25% da década de 70. Isso ocorre por baixo investimento em P&D, dificuldades regulatórias, legislações vigentes e capacitação tecnológica ainda em ascensão. Esse acordo de cooperação é um exemplo de como a parceria público privada pode ser um importante agente de reversão do quadro atual, pois além de apoiar o país a crescer certamente ajudará milhões de pessoas a obter melhor qualidade de vida", diz Dr. Dante Alario Junior, Chief Scientific Officer (CSO) da Biolab.

A expectativa da FAPESP e da Biolab é que os projetos apresentados proponham investigação sobre ensaios de eficácia e caracterização farmacodinâmica, determinação do mecanismo de ação, caracterização de ingredientes ativos e desenvolvimento de métodos analíticos de fármacos. Entre outros critérios, a seleção das propostas valorizará originalidade, ousadia e qualidade do projeto, viabilidade da execução e potencial para ampla disseminação e uso da inovação.

"Colhendo os resultados desse foco em inovação, em 2011 a Biolab lançará 12 medicamentos, sendo dez de nosso desenvolvimento, e no próximo ano já teremos o lançamento de nossa primeira molécula de desenvolvimento próprio, um antifúngico terapêutico que agrega também expressiva ação antibacteriana", comemora o Dr. Dante Alario Junior, Chief Scientific Officer (CSO) da Biolab.

Fonte: FAPESP - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo