Notícia

Correio Popular

Fapesp define escolhidos para receber verbas

Publicado em 13 agosto 2000

A Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) deve anunciar dentro de três semanas os escolhidos para uma nova linha de financiamento, a dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids), de até R$ 15 milhões anuais. O valor é equivalente ao total investido no Projeto Genoma Xylella (bactéria da doença tio amarelinho que ataca a plantada laranja). Segundo José Fernando Perez, diretor científico da Fapesp, trata-se de "um novo paradigma para a organização da pesquisa em áreas do conhecimento em que pode haver transferência para o mercado e para o governo". De 100 propostas recebidas, foram consideradas 30 e 10 chegaram à fase final de seleção. Segundo Perez, no mínimo cinco satisfazem todas as condições exigidas e receberão o financiamento. Os projetos apresentados tinham necessariamente de combinar três tipos de atividade: pesquisa multidisciplinar, inovação tecnológica em parceria com pequenas empresas e ensino/divulgação científica. Entre as exigências, por exemplo, encontra-se a de que cada centro tenha um coordenador educacional e de difusão e outro para transferência de conhecimento. "Não é só fazer pesquisa", afirma Perez. Cada centro poderá receber de R$ 300 mil a R$ 3 milhões por ano. Essa subvenção será de longo prazo, podendo durar até 11 anos (cinco iniciais, com a possibilidade de mais duas renovações por um prazo de três anos). A verba não pode ser usada para construção de novos prédios, apenas para reforma e aparelhamento (a instituição envolvida tem de assegurar um local). Tampouco poderão ser pagos com ela salários ou qualquer tipo de complementação salarial. Os Cepids serão avaliados periodicamente por comitês externos, com participação de pesquisadores estrangeiros. Por esse motivo as propostas foram apresentadas em inglês, mesma língua em que a relação de pré-selecionados aparece na página da Fapesp na Internet. Segundo Perez, cada comissão avaliadora terá poder de intervenção sobre o respectivo centro. O modelo segue o dos centros de ciência e tecnologia mantidos pela Fundação Nacional de Ciência (NSF, na sigla em inglês) dos Estados Unidos.