Notícia

Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia

FAPESP, BNDES e Oxiteno investem R$ 6 milhões em pesquisa nos setores sucroalcooleiro e alcoolquímico

Publicado em 16 novembro 2006

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Oxiteno — uma das maiores indústrias químicas do Brasil — assinaram hoje, 16 de novembro, um convênio de cooperação em projetos voltados ao desenvolvimento de tecnologia para produção de açúcares, álcool e derivados. O evento marcou também a abertura da chamada para apresentação de propostas de pesquisa pela comunidade científica.
Dominar os instrumentos para produção em larga escala de produtos que substituam os derivados de petróleo é garantir a competitividade brasileira no crescente mercado internacional. Entre tais produtos está o etanol, já produzido e muito consumido no país, feito no Brasil a partir da cana-de-açúcar. Para atingir os resultados, o convênio cria as condições necessárias para maior articulação entre as universidades e empresas que tenham vigorosas atividades internas de pesquisa e desenvolvimento (P&D).
O aporte financeiro para o convênio é de R$ 6 milhões, sendo R$ 1,5 milhão de investimentos da FAPESP, R$ 1,5 milhão do BNDES e R$ 3 milhões da Oxiteno.