Notícia

Planeta Universitário

FAPESP assina acordo de cooperação com a agência holandesa NWO

Publicado em 23 novembro 2012

A FAPESP e a Organização Holandesa para a Pesquisa Científica (NWO) firmaram, no dia 21 de novembro, um acordo de cooperação científica e tecnológica que prevê investimentos de mais de 4 milhões de euros (cerca de R$ 10,7 milhões) durante os próximos cinco anos. Segundo Celso Lafer, presidente da FAPESP, trata-se de uma parceria de amplo espectro que envolve oportunidades em todos os campos do conhecimento e permitirá estreitar o relacionamento entre pesquisadores paulistas e holandeses.

“Abre espaço para a cooperação entre universidades, para parcerias público-privadas e também para projetos no âmbito de pequenas e médias empresas”, disse Lafer.

A primeira chamada de proposta deverá ser anunciada em 1º de dezembro, com prazo final para apresentação de projetos para março de 2013. O valor total de investimento será de 2,1 milhões de euros (cerca de R$ 5,6 milhões), com até 300 mil euros (cerca de R$ 804 mil) por proposta.

De acordo com Jos Engelen, presidente da NWO – principal agência holandesa de fomento à pesquisa –, essa primeira chamada deverá abranger temas relacionados à chamada “bioeconomia”, o que pode incluir projetos na área de bioenergia, uso de biomassa para a produção de produtos químicos, recursos hídricos e agronegócio.

“As ciências da vida foram onde, inicialmente, encontramos um terreno comum para iniciar a colaboração. Mas é só o começo. O acordo poderá ser renovado após os cinco primeiros anos”, disse Engelen.

O documento foi assinado em cerimônia realizada no Palácio dos Bandeirantes – sede do governo paulista – e contou com a presença do Príncipe de Orange, Willem-Alexander, e da princesa do Reino dos Países Baixos, Máxima Cerruti.

Os herdeiros do trono holandês foram recebidos pelo governador Geraldo Alckmin e pela primeira-dama, Lu Alckmin. O príncipe liderou uma delegação composta por representantes de empresas e universidades holandesas que vieram para estreitar laços comerciais, educacionais e científicos com o Brasil.

A comitiva também contou com a presença do primeiro-ministro de Aruba, Mike Eman, e do embaixador dos Países Baixos, Kees Rade.

Melhoria educacional

Durante a cerimônia também foi firmado um acordo entre a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo e o Ministério da Educação, Cultura e Ciência da Holanda para a criação de ações que contemplem as áreas de tecnologia, ensino técnico profissionalizante e ensino de língua inglesa nas escolas da rede estadual paulista.

A Holanda é referência em educação técnica e desenvolve um projeto bem-sucedido no ensino de língua estrangeira nos anos iniciais da educação básica, experiências que podem auxiliar no aprimoramento de projetos desenvolvidos na rede estadual.

“Duas iniciativas distintas serão realizadas no âmbito desse acordo”, destacou Herman Voorwald, secretário da Educação e membro do Conselho Superior da FAPESP. Um dos projetos pretende promover a mobilidade de professores e alunos e incrementar a atuação dos centros de estudos de língua da rede, permitindo a realização de cursos e estágios na Holanda.

“Queremos também conhecer a experiência holandesa com o uso de equipamentos de tecnologia da informação em sala de aula, como servidores e tablets. Isso porque a Secretaria da Educação está finalizando o projeto de uma parceria público-privada – a maior no setor de educação já feita no país – para que no prazo de dez anos todas as salas das 5,5 mil escolas estaduais tenham acesso a esses equipamentos”, contou Voorwald.

A outra iniciativa incluída no âmbito do acordo com o ministério holandês será desenvolvida em conjunto com o Sistema de Proteção Escolar para implantar um programa de respeito à diversidade e prevenção à violência e à intolerância por meio da educação pela paz.

Esse projeto contará com a parceria da Fundação Anne Frank e tem previsão para começar em 2013 em 20 escolas da Zona Leste da capital. “A Fundação Anne Frank realiza projeto similar em 45 países, mas o do Brasil será o maior deles. A previsão é atingir 500 escolas em quatro anos”, disse Voorwald.

Encontro entre universidades

Dando continuidade às discussões sobre possíveis colaborações foi realizado na sede da FAPESP, no dia 22 de novembro, o Meeting on Scientific Cooperation between Dutch and São Paulo Universities.

O encontro reuniu representantes de oito das 14 universidades de pesquisa holandesas, entre elas Delf University of Technology, Erasmus University Rotterdam e VU University Amsterdam. Também participaram representantes da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Durante o evento, o perfil das instituições de ensino foi apresentado e possibilidades de pesquisas conjuntas foram apontadas. Também foi firmado um acordo de cooperação entre a USP e a Maastricht University.

Segundo Adnei Melges de Andrade, vice-reitor executivo de Relações Internacionais da USP, a parceria abrange áreas como psicologia, economia, administração, direito.

No mesmo dia, estava prevista a assinatura de outros dois acordos entre a USP e universidades holandesas: University of Twente e Eindhoven University of Technology.

“A USP já tem um bom número de universidades holandesas parceiras, mas o grande desafio hoje é fazer com que os europeus mandem estudantes para nós. Cada um desses convênios é um passo a mais para fazer o Brasil mais conhecido e trazer mais investimentos para o país”, disse Andrade.

Ainda durante o encontro, um perfil da NWO foi apresentado pelo diretor da agência de fomento holandesa Jan Karel Koppen. Atualmente, a instituição financia 6,5 mil pesquisadores. Seu orçamento em 2012 foi de 700 milhões de euros (cerca de R$ 1,8 bilhão).

Mais informações sobre o acordo entre FAPESP e NWO: www.fapesp.br/acordos/nwo

Fonte: Agência FAPESP