Notícia

Revista Sustentabilidade

Fapesp altera normas do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe)

Publicado em 01 abril 2011

Por Alexandre Spatuzza

 

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) revisou as normas do Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe) para auxiliar os pesquisadores interessados com um roteiro para o Projeto de Pesquisa e para o Plano de Comercialização, segundo nota divulgada pela entidade.

As principais alterações nas normas do programa foram na política para propriedade intelectual, inclusão do roteiro para o projeto de pesquisa, inclusão do roteiro para o plano de comercialização, exigência de assinatura do responsável pela empresa sede no termo de outorga, e na especificação da quantidade de horas de dedicação do pesquisador responsável pelo projeto, 24 horas no mínimo e, caso seja bolsista PE (Programa PIPE), 40 horas.

O Pipe foi criado em 1997 e se destina a apoiar a execução de pesquisa científica e/ou tecnológica em micro e pequenas empresas sediadas no Estado de São Paulo para promover a inovação tecnológica, o desenvolvimento empresarial, aumentar a competitividade das pequenas empresas e contribuir para a colocação de pesquisadores no mercado de trabalho.

O Pipe já apoiou mais de mil projetos de pesquisa e uma avaliação recentemente realizada mostrou que cada R$ 1 investido pela Fapesp nos projetos do programa gera de R$ 10 a R$ 12 de faturamento pelas empresas que sediam os projetos.