Notícia

JC e-mail

Fapesp á não tem como atender ao crescimento da pós-graduação

Publicado em 08 junho 2001

A Fapesp teria chegado ao limite de sua capacidade de atendimento a alunos de pós-graduação. Embora a demanda seja cada vez maior, o número de bolsas não crescerá esse ano. Argumenta-se que isso pode afetar o ritmo de expansão da pós-graduação em SP, principal estado formador de mestres e doutores no país. Em SP, alega-se que as agências federais já haviam reduzido a oferta de bolsas para o estado nos últimos anos. De 95 para cá caiu de 3.991 para 1.883 o número de bolsas de mestrado e de 2.579 para 2.192 as de doutorado para estudantes paulistas. No mesmo período, porém, a Fapesp ampliou em 3,5 vezes o número de bolsas de mestrado e em 7,1 vezes as de doutorado. Esse ano, a Fapesp projeta destinar 37% da sua verba, cerca de R$ 180 milhões, para as bolsas, o que já está acima dos 30% previstos nos seus estatutos. Mas o problema de se manter os níveis atuais é que a procura por bolsas de estudo não pára de crescer. A USP é citada como exemplo desse fato. A cada ano, as matrículas nos programas de mestrado e doutorado aumentam de 4% a 5%. Na opinião do pró-reitor de Pós-Graduação da USP, Hector Terenzi, uma das saídas seria ampliar os recursos federais para bolsas em SP, sobretudo do CNPq, a maior agência de fomento à pesquisa do país. No entanto, a redução está ligada a uma mudança de orientação da entidade, que vem priorizando o financiamento de programas e projetos de pesquisa em áreas consideradas estratégicas. Entre 95 e 99, caíram em 35% as concessões de bolsa de estudo de todos os tipos em SP. Outros estados do Sudeste, como Rio e Minas, também perderam, mas em menor proporção: o primeiro em 24% e o segundo em 21%. Ainda assim, quando se somam os investimentos em bolsa e em programas específicos de pesquisa, SP é a unidade da federação que mais recebeu dinheiro do CNPq. Em 99, o estado ficou com 10% dos R$ 49.9 milhões para fomento à pesquisa do CNPq (Dados de O Estado de SP, de 29/5) Apoio da Capes - O presidente da Capes, Abílio Afonso Baeta Neves, escreveu ofício ao presidente do Conselho Superior da Fapesp. Carlos Henrique de Brito Cruz, corrigindo alguns dados divulgados no artigo "O apoio da Fapesp à Pós-graduação: evolução e perspectiva", publicado pela revista da Fapesp e divulgado no site . O artigo, além de apresentar o crescimento do número de bolsas oferecidas pela Fapesp e a diminuição daquelas do CNPq, aborda também o decréscimo das bolsas oferecidas da Capes. Mesmo fazendo algumas retificações sobre os gráficos apresentados no artigo, a Capes diz que concorda plenamente com ponto de vista da Fapesp de que é necessário ampliar o apoio à pós-graduação nacional. Parece haver amplo consenso de que, tanto em âmbito nacional quanto federal, é preciso ampliar os investimentos para promover uma política ainda mais eficaz de desenvolvimento da pesquisa e da pós-graduação no Brasil.