Notícia

Famema

Famema publica trabalhos nas áreas de Pneumologia e Nefrologia

Publicado em 01 novembro 2011

O Núcleo de Epidemiologia Clínica, Medicina Baseada em Evidências e Avaliação de Tecnologias de Saúde e as Disciplinas de Medicina Interna e Moléstias Infecciosas da Famema (Faculdade de Medicina de Marília) publicaram mais dois trabalhos, desta vez nas áreas de Pneumologia e Nefrologia.

Ambos os estudos foram financiados pela Fapesp (Fundo de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), sendo um com bolsa de iniciação científica e o outro como parte do PP-SUS (Programa de Pesquisa para o SUS).

O primeiro, publicado no Jornal Brasileiro de Pneumologia, destaca a implementação de uma diretriz para pneumonia adquirida na comunidade (PAC) e avaliação do seu impacto na qualidade da assistência à saúde. A autoria é dos docentes da Famema Lucieni Oliveira Conterno e Carlos Rodrigues da Silva Filho, além do acadêmico de Medicina da Famema Fábio Ynoe de Moraes.

O estudo reuniu pacientes adultos diagnosticados com pneumonia adquirida na comunidade e internados na enfermaria geral do Hospital das Clínicas da Famema, entre julho de 2007 e outubro de 2008.

Durante o período do estudo, 68 pacientes foram diagnosticados com PAC: 48 antes e 20 após a implementação da diretriz. Cerca de 85% dos casos foram tratados em conformidade com a diretriz, e houve um aumento significativo no uso de antibioticoterapia para germes atípicos nos casos de pneumonia grave, com tendência para a diminuição da mortalidade e aumento da avaliação da oximetria (saturação de oxigênio).

Não tiveram registros da avaliação da gravidade nos prontuários da maioria dos pacientes. Além disso, o início da antibioticoterapia seguiu um esquema de horário pré-estabelecido, independentemente da gravidade do quadro infeccioso.

A análise mostrou que a elaboração e a implementação da diretriz para PAC promoveu a otimização da escolha terapêutica, mas não houve diferenças significativas quanto à avaliação de gravidade, registro de saturação de oxigênio ou no início da antibioticoterapia, evidenciando que as variáveis que se relacionam ao processo de trabalho médico e de enfermagem exigem estratégias mais efetivas para serem modificadas.

Renais crônicos

O segundo estudo, publicado no Jornal Brasileiro de Nefrologia, foi desenvolvido junto a pacientes renais crônicos em hemodiálise na região de Marília. São autores o professor Carlos Rodrigues da Silva Filho e o médico residente da Famema Ricardo Corrêa Ferreira.

O trabalho avaliou a qualidade de vida e prevalência de depressão nos pacientes no serviço de hemodiálise da Santa Casa de Misericórdia de Marília.

A hemodiálise é responsável por alterações significativas na qualidade de vida dos pacientes renais crônicos. A pesquisa comparou pacientes em hemodiálise com e sem depressão.

Em 130 pacientes estudados, foi constatado que os maiores níveis de depressão se relacionam com o maior tempo de tratamento. Houve melhores índices de qualidade de vida para um grupo.

A conclusão é que, apesar da baixa prevalência de quadros depressivos entre os hemodialíticos, deve-se investir no suporte social, psicológico e físico para melhorar a qualidade de vida destes pacientes.

Assessoria de Imprensa

Jornalista Roberto Cezar (Mtb. 34.338)

(14) 3402-1819 / 9691-0596