Notícia

Saúde Informações

Falta de sono e pressão alta

Publicado em 06 fevereiro 2007

Por Agência FAPESP

Indivíduos com mais de 30 anos que dormem menos de cinco horas por dia correm mais risco de desenvolver pressão alta. A afirmação é de um estudo desenvolvido nos Estados Unidos e publicado no periódico Hypertension, da American Heart Association. "O sono faz com que o coração desacelere e a pressão sangüínea caia durante uma parte significativa do dia", disse o pesquisador principal do estudo, James Gangwisch, da Escola Mailman de Saúde Pública da Universidade de Colúmbia, em comunicado da instituição. "Pessoas que dormem apenas em períodos curtos têm aumentada a média diária tanto da pressão do sangue quando da freqüência cardíaca, o que pode fazer com que o sistema cardiovascular funcione em uma pressão elevada", afirmou. Os pesquisadores analisaram dados obtidos por um extenso levantamento feito no Estudo nacional de saúde e nutrição, realizado pelo Centro para Controle e Prevenção de Doenças do governo norte-americano com 4.810 voluntários entre 32 e 86 anos. Segundo Gangwisch, 24% dos indivíduos examinados com 32 a 59 anos, que dormiam menos de cinco horas por dia, desenvolveram hipertensão. Entre os que dormiam sete ou oito horas, o índice caiu para 12%. Aqueles com poucas horas de sono mostraram-se também mais propensos a apresentar hipertensão, descontados fatores como obesidade, diabetes, fumo e consumo de bebidas alcoólicas. Outra constatação foi que quem dormia menos fazia menos exercícios e apresentava maior índice de massa corpórea. Também tinha maior propensão de ter problemas como depressão e sono durante o dia. Embora tenham verificado a relação entre privação do sono e pressão alta em pessoas de meia-idade, os pesquisadores não constataram o mesmo na faixa acima dos 60 anos. Segundo Gangwisch, a diferença pode ser explicada porque indivíduos idosos naturalmente dormem menos e não costumam ter o mesmo ritmo de trabalho e estresse dos mais novos. Como o estudo foi baseado em dados estatísticos, Gangwisch afirma que mais pesquisas são necessárias para comprovar a associação entre falta de sono e pressão alta. Ainda assim, para o pesquisador o trabalho deixa como resultado uma mensagem clara. "Uma boa noite de sono é muito importante para a boa saúde", disse. 

Fonte: Agência FAPESP