Notícia

Democracia Política e novo Reformismo

Faísca, o SUS e o Rubicão dos liberais

Publicado em 29 outubro 2020

Por Gilvan Cavalcanti de Melo

Teto de gastos pode se mostrar curto demais para abrigar vacinas e empregos

Na segunda-feira, o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, terminou, pelo Palácio do Planalto, uma agenda de visitas a autoridades em Brasília. Tratou de privatizações no BNDES e do socorro fiscal a seu Estado na Câmara dos Deputados. Com o presidente Jair Bolsonaro, resolveu acrescentar mais um tema, a vacina contra a covid-19.

Na entrevista que se seguiu, o governador conseguiu subir ao pódio do campeonato de disparates da atual temporada: “Sou de um partido liberal. Sou da opinião que quem quiser, deve se vacinar. Mas sou da opinião também que uma empresa que empregue mil funcionários exija, de alguém que trabalhe lá, que seja vacinado porque, caso contrário, ele pode representar risco para os outros. Então sou sempre favorável à liberdade do ser humano.”

Pela declaração do governador conclui-se que o dono da empresa que a comanda pelo zoom tem o direito de não se vacinar, mas ao funcionário do chão de fábrica resta apenas o dever de fazê-lo. Único governador eleito pelo Novo, Zema sugere um velho dilema: a liberdade do ser humano termina onde começa a necessidade de manter as empresas em funcionamento.

O ex-prefeito de Belo Horizonte, ex-ministro e hoje deputado federal Patrus Ananias (PT-MG), viu na declaração do governador a “privatização do ordenamento jurídico”. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), foi além e identificou resquícios da “mentalidade escravocrata”. No dia seguinte, o governador voltaria a se pronunciar sobre a vacina num tom dois degraus abaixo dizendo que se tratava de um tema mais de “consciência do que de obrigatoriedade”.

A declaração de Zema foi a cereja de um falso debate. Desde o estabelecimento do Plano Nacional de Imunização, em 1973, as leis sobre o tema preveem algum grau de compulsoriedade - vide o Estatuto da Criança e do Adolescente, a lei que criou o Bolsa Família ou até mesmo a primeira lei de enfrentamento da pandemia (13.379) em fevereiro deste ano.

Foi assim que o SUS, com um portfólio de 19 vacinas, uma das maiores ofertas públicas do mundo, chegou a erradicar doenças como poliomielite e varíola. Hoje enfrenta as notícias falsas, a fronteira com a Venezuela, o desaparelhamento de postos de saúde e o sucateamento da produção nacional para evitar que doenças como sarampo, já detectado em 21 Estados, voltem a se disseminar.

Nas pesquisas de opinião sobre a vacina da covid-19, a adesão supera 70%. Por isso, sanitaristas respeitados têm dito que não precisa obrigar a vacina, basta torná-la disponível e garantir que a população tenha acesso. Era assim que acontecia quando o tema era tratado acima das disputas políticas. O ex-ministro da Saúde e ex-governador José Serra (PSDB) posava vacinando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), por quem havia sido derrotado.

Hoje o presidente da República sugere que só leva Faísca, seu cachorro, para se vacinar e diz que a cloroquina é mais importante que a vacina. Por outro lado, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que exibe a parceria da Sinovac com o Butantã como vitrine de sua guerra pela ciência, não desistiu de garfar a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp). Depois de recuo na Assembleia Legislativa, apresentou novo projeto (PL 627) para congelar 30% de seus recursos.

A guerra da vacina contaminou outros governadores, como Ratinho Jr (PSD), do Paraná, e Rui Costa (PT), da Bahia, que firmaram acordos com o instituto Gamaleya, para que as fábricas de seus Estados (Tecpar e Bahiafarma) produzam a vacina russa. O recuo federal na compra da Coronavac pelo SUS levou governadores a imaginar que poderiam repetir, com a vacina, os consórcios formados para a compra de ventiladores.

O alvoroço levou à precipitação do presidente do Supremo, Luiz Fux. Depois de ter provocado um surto da covid-19 na Corte com sua posse, o ministro resolveu que chegara a hora de convocar as partes a entrar na justiça. Se inexiste vacina, não dá para dizer que há direito sendo negado.

No afogadilho, a primeira vítima é a obviedade. Primeiro vem o estabelecimento dos critérios de eficácia e segurança testados pela Anvisa, depois a possibilidade de produção e fornecimento. Se ainda houver algo a ser definido que não conste da legislação, ou garantias que precisem ser reforçadas dada a presença do rei do agito no Palácio do Planalto, parece ser atribuição do Congresso e não do Supremo.

O alvoroço levou muitos a imaginar que poderiam replicar o atropelo dos ventiladores, quando a falta de coordenação nacional do Ministério da Saúde levou governadores a formar consórcios e outros, quadrilhas. Com vacina é diferente. Um Estado pode colocar uma equipe de médicos e fisioterapeutas para testar respiradores, mas não há como contornar o papel da Anvisa e do SUS na certificação e na distribuição da vacina.

Outra dificuldade é que não estão assegurados os recursos estaduais para um programa de imunização. Este sempre foi um gasto federal. Se os Estados tiverem que bancá-lo vai ficar difícil arrumar dinheiro para manter as Unidades Básicas de Saúde (UBS).

É este o pano de fundo da trapalhada desta quarta-feira em torno do decreto para estudar a viabilidade de parcerias público-privadas (PPIs) para a construção e gestão das UBS. O financiamento da saúde é um dos buracos negros do orçamento de 2021. Se o SUS não cabe no teto de gastos, não está claro como a terceirização de seus serviços pode vir a caber. Alguém vai ter que pagar a conta. O mais provável é que sejam aqueles que ganharão uma vacina do governador de Minas e perderão o emprego.

Do jeito que foi apresentado, o tema pareceu nascido de um governo que não sabe como enfrentará o ano que vem, quando se aproximará do que o ex-porta-voz da Presidência chamou de Rubicão. Pra quem achou que já tinha visto tudo, o general Otávio do Rêgo Barros, avisou que, para atravessá-lo, aquele a quem chamou de ‘governante piromaníaco’, ainda tem um arsenal de “atos indecorosos, desalinhados dos interesses da sociedade”.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Folha de S. Paulo Folha.com Agora São Paulo Folha.com UOL Folha de S. Paulo Folha.com Folha de S. Paulo Folha.com Folha de S. Paulo TV Cultura Folha.com Valor Econômico online Valor Econômico Folha.com Folha de S. Paulo Valor Econômico online Valor Econômico Estadão.com Folha de S. Paulo Folha.com Folha.com Folha de S. Paulo Valor Econômico online Valor Econômico Jornal Primeira Página O Globo online Estadão.com O Estado de S. Paulo Jornal da Ciência online Cruesp - Conselho de Reitores das Universidades Estaduais de São Paulo Jornal da USP online ISN Portal DCM - Diário do Centro do Mundo Yahoo! Finanças Folha de Londrina online Mix Vale ContilNet Notícias DL News Meon Notícias ao Minuto ID News ABC - Academia Brasileira de Ciências Adusp - Associação dos Docentes da Universidade de São Paulo ABC - Academia Brasileira de Ciências Yahoo! Vida e Estilo ABC - Academia Brasileira de Ciências Movimento pela Ciência e Tecnologia Pública Programa InfoSalud (Argentina) Saber Atualizado Jornal da Ciência online Jornal da Ciência online Jornal da Ciência online Jornal da Ciência online Jornal da USP online Revista Seleções online Jornal da Ciência online Jornal da Ciência online Jornal da Ciência online Jornal da USP online SBPC - Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência USP São Carlos ABC - Academia Brasileira de Ciências Jornal GGN ABC - Academia Brasileira de Ciências Bonde Jornal Cidade - Rio Claro SBPC - Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência Jornal da Ciência online Jornal da Ciência online ABC - Academia Brasileira de Ciências Jornal da USP online Jornal da USP online Blog Folha Verde News Brasil Soberano e Livre Movimento pela Ciência e Tecnologia Pública ABC - Academia Brasileira de Ciências Passa Palavra Câmara Municipal de Araraquara UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas Jornal O Imparcial Jornal da USP online PSDB ID News Jornal da Ciência online Câmara Municipal de Araraquara Blog Prontidão Total Jornal da Ciência online Portal Vermelho Jornal da USP online Consultor Jurídico Campo Grande News Jornal da Ciência online Head Topics (Reino Unido) Carta Campinas PAT - Pesquisa ao Alcance de Todos (PUC, MG) JC Notícias (São Paulo, SP) ABC - Academia Brasileira de Ciências Jornal da Ciência online Jornal da USP online Gazeta do Povo online (PR) USP São Carlos DHoje Interior online Jornal da Ciência online SBPC - Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência Portal Vermelho Grabois Blog do Renato Consultor Jurídico Araraquara News