Notícia

A Cidade (Ribeirão Preto) online

Faculdade de Saúde Pública estuda combinações nutritivas

Publicado em 20 dezembro 2005

Combine farinha de trigo ou de milho com pulmão bovino, linhaça, amaranto (um tipo de erva) ou grão-de-bico. O resultado: produtos alimentícios de alto valor nutritivo. Essas misturas curiosas estão sendo experimentadas na FSP (Faculdade de Saúde Pública) da Universidade de São Paulo.
O objetivo dos pesquisadores do Laboratório de Bioquímica e Propriedades Funcionais dos Alimentos é testar a eficácia de diferentes tipos de farinha enriquecida. Para verificar os efeitos nutricionais de cada uma, diversas combinações foram testadas.
As utilizações potenciais variam de acordo com a mistura. "A farinha com pulmão bovino, por exemplo, pode ser utilizada para combater a anemia infantil. O amaranto é um forte aliado no controle dos altos índices de colesterol e a linhaça pode ser útil para prevenir os sintomas de mulheres no climatério", explica o professor José Alfredo Arêas, coordenador do estudo.
Misturas variadas podem ser feitas de acordo com as necessidades do consumidor. As farinhas enriquecidas também apresentaram teores maiores de proteínas, fibras, cálcio e ferro quando comparadas às normalmente consumidas pela população.
"Utilizamos também uma série de processos que permitiram eliminar totalmente a gordura saturada, gerando um alimento extremamente saudável e nutritivo", conta Arêas.
Para comprovar a eficácia do produto, os pesquisadores produziram salgadinhos feitos com a mistura da farinha de milho com pulmão bovino. Foram adicionados ainda pedaços de milho e de grão-de-bico, além de aromas naturais para melhorar a textura e o sabor do produto.
O alimento foi oferecido três vezes por semana, durante dois meses, a 260 crianças em duas creches públicas em Teresina, no Piauí, onde os índices de anemia são elevados.
"Os resultados foram surpreendentes. A taxa de anemia em crianças acima de 6 anos diminuiu de 65% para 11% após o período de testes", afirma Arêas. No grupo controle, que não foi alimentado com os salgadinhos, a prevalência de anemia se manteve inalterada.
Para Arêas, os testes feitos em Teresina indicam a viabilidade desse tipo de alimento enriquecido. "O principal público é exatamente o das crianças em fase escolar, que consome alimentos altamente calóricos e com taxas insignificantes de proteína", diz o professor da FSP.

Agência Fapesp