Notícia

Blog Conecta Classificados

Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório

Publicado em 07 maio 2019

Por Elton Alisson, da Agência FAPESP

As taxas de extinção de espécies animais e vegetais estão aumentando em uma escala sem precedentes. A abundância média de espécies nativas na maioria dos principais habitats sobre a terra caiu em pelo menos 20%, especialmente desde 1900. Mais de 40% das espécies de anfíbios, cerca de 33% de corais e mais de um terço de todos os mamíferos estão ameaçadas.

Esta perda é o resultado direto da atividade humana, e representa uma séria ameaça ao bem-estar humano em todas as regiões do mundo, adverte um grupo de cientistas de 50 países, incluindo o Brasil. Eles são os autores da primeira avaliação global do estado da natureza da Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, na sigla em inglês).

O sumário para formuladores de políticas do relatório foi divulgado nesta segunda-feira (06/05), em Paris, após ter sido aprovado por 132 países, durante a sétima sessão plenária do corpo, chamados de “IPCC da biodiversidade”, que teve lugar na semana passada na capital francesa.

“A saúde do ecossistema de que toda a humanidade e todas as espécies dependem está se deteriorando mais rapidamente do que nunca. Estamos destruindo os fundamentos da nossa economia, os meios de subsistência, segurança alimentar, saúde e qualidade de vida em todo o mundo”, disse Robert Watson, presidente da IPBES.

Desenvolvido ao longo dos últimos três anos por 145 especialistas, com contribuições de outras 310 autores, o relatório avaliou alterações na biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos, tais como o fornecimento de alimentos e água durante as últimas cinco décadas. Para isso, foi feita uma revisão sistemática de cerca de 15 mil fontes científicas, governamentais, e o conhecimento indígena e de comunidades tradicionais.

“Este é o primeiro relatório intergovernamental concentra-se não apenas a biodiversidade, mas também suas interações com as trajetórias de desenvolvimento econômico e com os fatores que afetam a natureza, tais como as alterações climáticas”, disse Eduardo Sonnewend Brondizio, professor da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, à Agência FAPESP.

“Nunca tantos dados, de diferentes áreas, como as ciências naturais e sociais, se reuniram para fazer uma avaliação detalhada das condições do meio ambiente em escala global e numa perspectiva integrada, da interação com a sociedade”, disse Brondizio.

Vivo há mais de 20 anos nos Estados Unidos, o cientista brasileiro, que foi um dos três co-presidentes do relatório, é um dos pesquisadores responsável pelo projeto apoiado pela FAPESP em parceria com o Belmont Forum – um consórcio das principais agências financiadoras de projetos de pesquisa sobre mudanças ambientais no mundo.

O outro brasileiro autores do relatório estão Ana Paula Aguiar, do Instituto Nacional de Pesquisas espaciais (Inpe); Bernardo Baeta Neves Estrasburgo, o Instituto Internacional para Sustentabilidade (ISS); Cristina Adams, da Universidade de São Paulo (USP); Gabriel Henrique Lui, o Ministério do meio Ambiente; Maria Manuela Ligeti Carneiro da Cunha, universidade de são paulo; Pedro Henrique Santin Brancalion, também da USP, e Rafael Dias Loyola, Universidade Federal de Goiás (UFG).

“A contribuição de autores brasileiros tem sido excepcional, porque todos eles conseguiram trazer uma perspectiva social e ecológica integrada para o relatório. Eles colocam suas respectivas especialidades, tais como ecologia, política pública, e cenários ambientais, num contexto interdisciplinar”, disse Brondizio.

Rede mais desgastada

O relatório aponta que ecossistemas, espécies, populações de animais selvagens, de variedades locais de plantas e animais domesticados estão encolhendo, deterioração ou desaparecimento. Desta forma, a rede é indispensável e interconectada a vida na Terra está ficando cada vez menor e cada vez mais desgastada.

Pelo menos 680 espécies de vertebrados foram levados à extinção, desde o século 16, e mais de 9% de todas as espécies de mamíferos domesticados utilizados para a alimentação e a agricultura têm sido extinta até 2016. Além disso, estima-se que 1 milhão de espécies animais e vegetais estão ameaçadas de extinção.

Entre os fatores responsáveis por este declínio de espécies são, em ordem decrescente, as mudanças no uso da terra e do mar, a exploração direta de organismos, alterações climáticas, poluição e espécies tóxicas invasiva.

Desde 1980, as emissões de gases de efeito estufa aumentou, elevando a temperatura média global em pelo menos 0,7 ºC. O aquecimento Global já afetou a natureza do ecossistema para a genética da espécie, e os impactos deve aumentar nas próximas décadas, em alguns casos, superando o impacto da mudança do uso da terra e do mar e de outros fatores, sugerem os autores.

“O resumo mostra que a situação da biodiversidade e dos serviços essenciais à qualidade de vida, é ainda mais crítico do que o aquecimento global”, disse Carlos Joly, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e coordenador do programa BIOTA-FAPESP.

Joly coordenou o Painel Multidisciplinar de Especialistas para o IPBES em seus primeiros anos de existência, ao lado do australiano Mark Londsdeale, a Organização de Pesquisa Científica e Industrial da Commonwealth (CSIRO), e é um membro da coordenação da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES, na sigla em inglês), cuja criação foi inspirada IPBES.

O relatório também destaca que três quartos da terra do meio ambiente e 66% do ambiente marinho tem sido significativamente alteradas pelas ações humanas. Em média, estas tendências têm sido menos grave ou evitado em áreas detidos ou geridos por povos indígenas e comunidades locais.

Mais de um terço da superfície terrestre do mundo, e cerca de 75% dos recursos de água doce são agora dedicados à produção agrícola ou pecuária. O valor da produção agrícola cresceu cerca de 300% desde a década de 1970, extração de madeira aumentou em 45% e cerca de 60 bilhões de toneladas de recursos renováveis e recursos não-renováveis são extraídos globalmente a cada ano – um número que quase duplicou desde 1980.

A degradação da terra, no entanto, reduziu a produtividade de 23% da superfície terrestre global. Até us$ 577 bilhões em culturas globais anuais estão em risco de perda de polinizadores e entre 100 e 300 milhões de pessoas estão em maior risco de inundações e furacões devido à perda de habitats costeiros e proteção, apontam os autores do relatório.

A poluição de plástico cresceu 10 vezes desde 1980, e entre 300 e 400 milhões de toneladas de metais pesados, solventes, lamas tóxicas e outros resíduos provenientes de instalações industriais são despejados anualmente nas águas do mundo.

Os fertilizantes utilizados em umgriculture e inserindo os ecossistemas costeiros, foram produzidas mais de 400 oceânica “zonas mortas”, no montante de mais de 245 mil quilômetros quadrados (km2) – uma área combinada maior do que a do Reino Unido, calculados os pesquisadores.

“O relatório mostra que as populações mais ricas ou privilegiado se acostumaram a ignorar os problemas ambientais, porque elas não vivem com os impactos no dia-a-dia. São os pobres ou menos privilegiada que estão sofrendo o impacto desse padrão de vida, na forma de poluição, o desmatamento e as atividades de mineração em locais longe dos olhos do resto do mundo”, diz Brondizio.

De acordo com os pesquisadores, as tendências negativas na natureza vai continuar até 2050 e para além deste período, persistir na política de todos os cenários explorados no relatório, exceto aqueles que incluem mudanças transformadoras – devido à projecção dos impactos de um aumento de mudança no uso da terra, exploração de organismos, e a mudança climática, embora com diferenças significativas entre as regiões.

Apesar dos avanços nas políticas de conservação, os autores acreditam que as metas globais para conservar e utilizar a natureza de forma sustentável e para alcançar a sustentabilidade não pode ser alcançada em trajetórias de corrente. As metas para 2030 e para além do período que pode ser alcançado apenas através de mudanças transformadoras e fatores políticos e tecnológicos, tem que considerar.

Uma das ações é a adoção de abordagens integradas e intersetoriais de gestão que levam em conta as variações de produção de alimentos e energia, infra-estrutura, gestão de água doce e zonas costeiras e conservação da biodiversidade.

“Nós ainda não atingiu um ponto de irreversibilidade da perda de biodiversidade, e a consequente degradação dos serviços ecossistêmicos essenciais para a qualidade de vida. Se tomamos as decisões, de forma a, conjuntamente e de forma coordenada e cooperativa, promover a mudança transformadora integrada, inclusiva, e com base no melhor conhecimento científico disponível, é possível reverter a velocidade de degradação”, disse Joly.

“Este, necessariamente, para conseguir cumprir as metas do Acordo de Paris, porque o aquecimento global já é um dos principais fatores da perda de biodiversidade e a degradação dos serviços dos ecossistemas,” ele apontou.

Os autores identificam, também, como um elemento-chave de futuras políticas mais sustentáveis na evolução dos sistemas financeiros e econômica global, visando a construção de uma economia global sustentável, afastando-se do paradigma atual de limitado o crescimento económico.

“O relatório mostra que precisamos para mudar a narrativa de que o desenvolvimento econômico é um fim em si mesmo e que todos os custos para alcançá-lo, tais como a degradação ambiental e a desigualdade social são inevitáveis e justificável”, disse Brondizio.