Notícia

Agência C&T (MCTI)

Exposição sobre Brejo Grande começa nesta quarta-feira

Publicado em 09 janeiro 2008

Esta é a tônica da exposição 'Olhar sobre si: dois povoados da foz do São Francisco', que começa nesta quarta-feira, 9, às 19h, e fica no Centro de Arte e Cultura de Sergipe até o próximo dia 31 de janeiro. A exposição reúne fotografias dos povoados Cabeço e Saramém que foram feitas e escolhidas pelos próprios moradores.

A exposição foi produzida por um grupo de 25 moradores, que fotografaram ou escolheram fotos de suas comunidades. As imagens refletem o olhar destas pessoas sobre si, sua história e sua realidade. Fotos antigas, que mostram os povoados antes da invasão do mar, a reconstrução das comunidades, e fotos atuais, retratando o cotidiano destas pessoas compõem a mostra fotográfica. O Centro de Arte e Cultura de Sergipe fica na Avenida Santos Dumont, s/nº, na Orla de Atalaia.

'Olhar sobre si' é um dos desdobramentos de um projeto de pesquisa e extensão, realizado pelos estudantes Marcos Chabes e Daniela Nakamura, da Universidade de Campinas (Unicamp-SP). "Nossa idéia é fazer a comunidade se reunir, discutir sua realidade e pensar soluções", explica Marcos, que é estudante de Ciências Biológicas. "A gente quer discutir o meio ambiente e sua preservação dentro do contexto social, fazendo a comunidade olhar para ela mesma", disse Daniela, que estuda Ciências Sociais.

O projeto conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp), da Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários (Preac) e do Fundo de Amparo ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Faepex), da Unicamp, e vem sendo desenvolvido desde janeiro de 2006. "Conheci Brejo Grande num encontro nacional de estudantes de Biologia, que aconteceu na Universidade Federal de Sergipe, em 2005. Participei de uma vivência que aconteceu lá e fiquei encantado com o lugar e a história daquele povo", disse Marcos.

Eles se reúnem com os moradores dos dois povoados há dois anos e já sentem resultados. "Quando chegamos, uma das principais reclamações era de que as pessoas não se uniam para conversar e resolver os problemas comuns. Agora, eles já têm uma exposição feita por eles mesmos", disse Marcos.