Notícia

Meio Norte

Exposição à luz pode reduzir sono

Publicado em 08 agosto 2010

Jovens trabalhadores universitários sofrem déficit crônico de sono, decorrente da jornada dupla que envolve trabalho durante o dia e estudo à noite. Além do sono, alguns hábitos e estilos de vida - como dieta rica em gorduras, consumo de álcool e falta de atividade física - contribuem ainda mais para o quadro preocupante.

As conclusões são de uma pesquisa conduzida na Faculdade de Saúde Pública (FSP) da Universidade de São Paulo (USP), que tem investigado as repercussões na saúde e na qualidade de vida de universitários. Um dos trabalhos do grupo avaliou os efeitos da exposição à luz para reduzir a sonolência durante as aulas noturnas em tal público.

De acordo com Frida Marina Fischer, professora titular da FSP-USP, estudos realizados anteriormente avaliaram a privação de sono decorrente da dupla jornada (trabalho e estudo) entre jovens estudantes do ensino médio em escola pública, que trabalham e estudam à noite. Entre esses jovens, a sobrecarga decorrente da longa vigília e da redução de sono é um problema de dimensões mais severas, pois há milhões de jovens brasileiros nessa condição.

"O problema com os jovens no ensino médio em dupla jornada é mais grave quando comparados aos jovens adultos, por atingir indivíduos em formação, menores de 18 anos. Estima-se que uma parte dos jovens trabalhadores que desistem do ensino médio o fazem devido à intensa fadiga e sonolência associadas à dupla jornada de trabalho e estudo", disse a coordenadora do estudo à Agência FAPESP .

A partir desses estudos anteriores - que tiveram apoio da FAPESP e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) -, o grupo coordenado por Frida desenvolveu outro projeto para avaliar se a luz intensa poderia resultar na diminuição da sonolência durante ao período noturno das aulas, que vai das 19 horas às 22h30.

A pesquisa mostrou que quando os jovens universitários trabalhadores foram expostos à luz com intensidade de 8 mil lux, por 20 minutos, às 19 horas e às 21 horas, houve redução dos níveis da sonolência após a exposição à luz às 21 horas.