Notícia

Trilha do Futuro

Exploração do conhecimento gelado

Publicado em 31 março 2006

Um fórum mundial de exploração científica para aprofundar os estudos sobre os efeitos das regiões polares no ambiente mundial. Essa é a proposta da quarta edição do Ano Polar Internacional, programado para ocorrer entre março de 2007 e março de 2009.
O evento, que contará com uma extensa programação de palestras e investigações laboratoriais até 2011, irá reunir pesquisadores de diversos países para a realização de estudos multidisciplinares nas regiões do Ártico e da Antártica — que representam cerca de 10% da área da Terra.
O 3º Ano Polar ocorreu há meio século, entre 1957 e 1958. Na nova edição será a primeira vez que o Brasil participará do fórum. "Será certamente uma grande explosão de pesquisas que fornecerão um panorama do estado atual do conhecimento sobre os ambientes polares e sua relação com outras áreas do planeta", explica Edith Susana Fanta, bióloga da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e integrante do Comitê Conjunto do Ano Polar Internacional, à Agência FAPESP.
Edith, uma das coordenadoras da participação brasileira no projeto, conta que o Comitê Conjunto do Ano Polar Internacional já aprovou 402 projetos de pesquisa, a serem desenvolvidos pelos 64 países participantes. "A comunidade científica brasileira está envolvida, até o momento, em 28 grandes atividades internacionais do Ano Polar, em diversas áreas do conhecimento", diz. Segundo ela, ainda é difícil precisar o número exato de instituições brasileiras envolvidas no evento.
A expectativa é que aumente a participação brasileira em outros projetos até o início das atividades, assim como as propostas internacionais aprovadas e o número de países participantes. O Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT) irá acompanhar as atividades científicas por meio do Comitê Nacional de Pesquisas Antárticas (Conapa).
Entre as pesquisas a serem desenvolvidas pelos cientistas brasileiros estão o censo de vida marinha antártica, que conta com a participação de outros 16 países, a expedição internacional para coleta e estudo de peixes naturais dos hábitats subantárticos e o impacto do degelo nas comunidades marinhas e terrestres da costa da Península Antártica. Mais informações: www.ipy.org