Notícia

GVces - Centro de Estudos em Sustentabilidade

Experiência brasileira em etanol será apresentada na Conferência Internacional sobre Biocombustíveis

Publicado em 12 novembro 2008

Evento terá cinco sessões plenárias, abertas ao público nos dias 17, 18 e 19 de novembro, e segmento intergovernamental de alto nível, nos dias 20 e 21, com participação do presidente da República e do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Com 27 bilhões de litros previstos para a safra 2007/2008, o Brasil é o maior produtor mundial de etanol feito a partir da cana-de-açúcar.  Por sua excelência, o país sediará a Conferência Internacional sobre Biocombustíveis: Os biocombustíveis como vetor do desenvolvimento sustentável, que será realizada em São Paulo/SP, de 17 a 21 deste mês.

Governo federal e especialistas do setor vão apresentar e debater a experiência brasileira de quase 35 anos no uso e na produção do etanol.  Uma delegação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) participará da conferência, ao lado de representantes de quase 50 países.

A conferência, promovida pelo governo federal, contribuirá para a discussão internacional sobre os desafios e oportunidades apresentados pelos biocombustíveis.  Temas relacionados, como segurança energética, produção e uso sustentáveis, agricultura, processamento industrial também serão debatidos, além de questões de especificações e padrões técnicos, comércio internacional, mudança do clima e o futuro dos biocombustíveis.

O evento terá dois segmentos: um conjunto de cinco sessões plenárias, abertas ao público nos dias 17, 18 e 19, e o segmento intergovernamental de alto nível, nos dias 20 e 21, com participação o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes.

ABC participa em sessão plenária

Em parceria com o governo brasileiro, com a Universidade de São Paulo (USP) e com a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp), a Academia Brasileira de Ciências organizará uma das cinco Sessões Especiais do evento, que discutirá o papel da pesquisa científica na área dos biocombustíveis, no dia 18 de novembro, das 18h às 20h.

Seis especialistas participarão do debate: João Alziro Herz da Jornada (moderador), Carlos Henrique de Brito Cruz, ambos da ABC, e os convidados Mohamed Hassan (relator; matemático e diretor-executivo da TWAS), Edward A. Hiler (engenheiro agrícola da Texas University), Richard Murphy (do Depto.  De Ciências Biológicas do Imperial College of Science, Technology & Medicine, em Londres) e Udipi Shrinivasa (engenheiro aeronáutico do Indian Institute of Science).

Segundo o chefe da Assessoria de Cooperação Internacional da Academia, Paulo de Góes Filho, doutor em Antropologia Social que dedica seus estudos às áreas de Política Externa e Relações Internacionais, a participação da instituição no encontro é um marco extremamente importante.

"É extremamente relevante o convite que a ABC recebeu para organizar uma mesa-redonda durante o evento, convocada pelo presidente da República", afirma.  O anúncio de que o Brasil iria sediar a conferência foi proferido pelo presidente durante a 62ª sessão da Assembléia Geral das Nações Unidas em Nova York, nos Estados Unidos, em setembro do ano passado.

Góes garante que a ABC se prepara com afinco para produzir informações científicas confiáveis sobre o impacto dos biocombustíveis.  De acordo com o antropólogo, o tema central em debate é o conflito entre a utilização de terras para o cultivo de alimentos em oposição à produção dos biocombustíveis.  "Alguns países, como o México, por exemplo, são muito sensíveis a este problema, porque atribuem o aumento de preço do milho à sua utilização para fazer biocombustíveis", justifica.

As Sessões Plenárias discutirão cinco diferentes temas, lideradas por oito especialistas.  Os assuntos desenvolvidos serão:

- Segurança Energética: transição da matriz, diversificação das fontes e universalização de acesso;

- Mudança do Clima: mitigação das emissões de gases do efeito estufa, mudança de uso da terra e análise comparativa do ciclo de vida;

- Sustentabilidade: segurança alimentar, geração de renda e desafios para os ecossistemas;

- Inovação: pesquisa e desenvolvimento, biocombustíveis de primeira e segunda geração e oportunidades para a ciência e tecnologia;

- Mercado Internacional: regras comerciais, questões técnicas e padrões sócio-ambientais.

Matriz limpa e renovável

A cana-de-açúcar responde por 16% da matriz energética brasileira, uma das mais limpas e renováveis do mundo, atrás apenas do petróleo e derivados (37%).  Da planta aproveita-se o caldo, o bagaço e a palha da cana para produção de açúcar, etanol, adubo e bioeletricidade, com vantagem de reduzir impactos ambientais e gerar créditos de carbono.

Etanol como commodity

De acordo com a Secretaria de Produção e Agroenergia (SPAE) do Mapa, os investimentos externos no setor industrial do açúcar e do álcool brasileiro estão em torno de 15%.  O consumo do etanol já é maior que o da gasolina e os veículos brasileiros flex fuel permitem a utilização de até 100% do etanol hidratado.

O álcool anidro é misturado, atualmente, à gasolina na proporção de 25%.  O Brasil tem frota estimada em mais de seis milhões de veículos flex fuel.  Há previsão de investimentos de R$ 30 bilhões na instalação de novas unidades produtoras até 2012.  O país, desde 1925, faz testes utilizando etanol misturado à gasolina.

A intenção do governo é fortalecer a cooperação internacional, difundir a experiência nacional com os biocombustíveis, transmitir conhecimento e tecnologia para desta forma, criar condições para que outros países também produzam etanol de forma sustentável.

Assim, o biocombustível se consolidará como uma commodity que gera investimentos não só no Brasil, mas também em países parceiros do Caribe, África e Ásia.

Jornal da Ciência (SBPC)

Da Secretaria de Imprensa da Presidência da República e da ABC